Jogos de Luta

XO Academy cria programa para incentivar o público feminino de jogos de luta

A organização norte-americana conta com participação de pro players e casters do cenário
@_matheusF23
Escrito por
Matheus Oliveira
Foto: Eventhubs/Reprodução
Foto: Eventhubs/Reprodução

Assim como na grande maioria dos cenários competitivos, o número de mulheres presentes em eventos de fighting games é reduzido se comparado ao público masculino. Pensando nisso, pro players e casters norte-americanos se juntaram para criar a organização XO Academy, com o objetivo de auxiliar mulheres que queiram fazer parte de competições.

Leia mais:

A XO Academy foi criada como uma iniciativa da apresentadora norte-americana Samantha “Persia” Hancock, presente no cenário como narradora e comentarista desde 2015.

A organização conta também com participação de pro players conhecidos como Jon "dekillsage" Coello e Kevin "Dieminion" Landon, que atuarão como mentores nos programas de treinamento disponibilizados para as participantes.

A XO Academy, além de patrocinar novas jogadoras e auxiliá-las a marcar presença em grandes torneios do país, também oferecerá treinos para mídias sociais, streaming e criação de conteúdo.

Para acompanhar os futuros projetos da organização basta seguir a XO Academy em seu perfil oficial no Twitter.

Matheus Oliveira é redator do Versus. Siga-o no Twitter.

Tags Relacionadas
Jogos de Luta
Mais notícias
EVO Online não terá participação de brasileiros
Jogos de Luta

EVO Online não terá participação de brasileiros

O evento terá torneios apenas par América do Norte, Europa e Ásia
Matheus Oliveira
Street Fighter: CPT Online é adiada em apoio a movimento antirracista
Street Fighter

Street Fighter: CPT Online é adiada em apoio a movimento antirracista

A competição começaria neste fim de semana
Matheus Oliveira
Street Fighter: Capcom Pro Tour retorna com disputas online em junho
Street Fighter

Street Fighter: Capcom Pro Tour retorna com disputas online em junho

O calendário da competição foi refeito para lidar com a pandemia do coronavírus
Matheus Oliveira