FaZe

Tfue acusa FaZe de ficar com 80% do seu lucro; organização nega

Streamer ainda alega que as condições contratuais são abusivas
@biaacoutinhoo
Beatriz Coutinho
escreve para o Versus.
Foto: Tfue/Reprodução
Foto: Tfue/Reprodução

O pro player e streamer de Fortnite Turner "Tfue" Tenney está processando a FaZe Clan por manter um contrato de trabalho abusivo. De acordo com o jogador e seu advogado, a organização fica com 80% dos lucros do influenciador obtidos em seus canais de transmissão e redes sociais.

Leia mais:


Tfue faz parte da FaZe Clan desde abril de 2018. De acordo com o Hollywood Reporter, o streamer tentou deixar a organização em setembro, alegando violação do contrato de trabalho, mas a tentativa foi negada e ele permaneceu na equipe. Por conta disso, agora o influenciador está tentando sair com a ajuda da justiça.

Esta não é a única acusação de Tfue e seu advogado, Bryan Freedman, contra a FaZe. O streamer - que está classificado para a Copa do Mundo de Fortnite em Nova York - afirmou que a organização costuma oferecer bebidas alcoólicas para youtubers abaixo da idade mínima legal para consumo. Além disso, ele teria sido pressionado a morar em uma das gaming houses da equipe.

Segundo Freedman, a FaZe também tem o costume de encorajar seus influenciadores a fazer atividades perigosas enquanto se filmam. Como exemplo disso, ele relembrou a vez em que Tfue sofreu um acidente enquanto andava de skate, ação que resultou em uma desfiguração permanente.

Ao Hollywood Reporter, Freedman deixou uma mensagem para organizações e influenciadores: "Este é o momento para que criadores de conteúdo, gamers e streamers parem de ser passados para trás por conta de acordos opressivos, injustos e ilegais. As ações legais tomadas hoje são um sinal de que esse comportamento [por parte das organizações] não será mais tolerado. A comunidade gamer merece um ambiente seguro que a permita ser livre para controlar suas próprias carreiras".

A FaZe, por sua vez, emitiu um comunicado em resposta às acusações, alegando que a empresa nunca ficou com os lucros de Tfue obtidos por campeonatos, seu canal na Twitch, Youtube ou qualquer rede social.

A empresa aponta ainda que a FaZe obteve US$ 60 mil com a parceria e que "embora os contratos sejam diferentes para cada jogador, todos possuem um limite de 20% revertidos para a FaZe tanto em lucros de campeonato quanto para lucro de conteúdo, e 80% ficam para o jogador". No caso de Tfue, "nenhum destes dois valores foi absorvido" pela organização.

O fundador da FaZe Clan, Ricky Banks, fez comentários em seu Twitter a respeito do caso, alegando que a equipe "nunca pegou 80% do lucro de ninguém", adicionando que "um contrato deste tipo nunca existiu".



Bia Coutinho é redatora do
Versus. Siga-a no Twitter em @biaacoutinhoo.

Tags Relacionadas
FaZeFortnite
Mais notícias
Rainbow Six: FaZe e NiP se classificam para as finais da Pro League S10
Rainbow Six Siege

Rainbow Six: FaZe e NiP se classificam para as finais da Pro League S10

As duas equipes venceram seus respectivos confrontos nesta penúltima rodada
Lucas Hagui
Manchester City exibe símbolo da FaZe ao entrar em campo pelo Campeonato Inglês
CS:GO

Manchester City exibe símbolo da FaZe ao entrar em campo pelo Campeonato Inglês

Organização de esports e clube de futebol anunciaram parceria em setembro
Jairo Junior
CS:GO: A estreia desastrosa de Coldzera na FaZe Clan não é o fim do mundo
CS:GO

CS:GO: A estreia desastrosa de Coldzera na FaZe Clan não é o fim do mundo

Nesta análise colocamos os números do jogador à prova
Jairo Junior