Esports

Senadora Leila lê carta enviada por ESL, ABCDE e ESA sobre PL 383/2017

Projeto procura regulamentar os esports no Brasil
@biaacoutinhoo
Escrito por
Beatriz Coutinho
Foto: Agência Brasília/Reprodução
Foto: Agência Brasília/Reprodução

Na última terça-feira (9), a senadora Leila Barros (PSB-DF) leu uma carta escrita por três organizações ligadas aos esportes eletrônicos - Associação Brasileira de Clubes de Esports (ABCDE), Electronic Sports League (ESL) e Entertainment Software Association (ESA) na qual é requisitada a extensão do debate sobre o projeto de lei 383/2017, que busca regulamentar os esports no Brasil.

Leia mais:

No documento, ao qual o Versus teve acesso, a ABCDE, a ESL e a ESA pedem para que o projeto permaneça no Senado Federal, para que ele "seja discutido de forma mais ampla com partes interessadas, sejam elas atletas de esportes tradicionais ou competidores e empresas de eSports".

Confira abaixo a carta na íntegra:


"A Associacão Brasileira de Clubes de eSports (ABCDE) que congrega os 20 principais clubes no Brasil, a Electronic Sports Leaque (ESL) no Brasil, a maior liga de eSports do país e do mundo, e a Enbrtainmient Software Association (ESA), a maior associação de editores (publishers) de softwares de entretenimento do mundo, vêm por meio desta solicitar o apoio de Vossa Excelência para manter no Senado o debate acerca do Projeto de Lei do Senado 383 de 2017, de autoria do Excelentíssimo Senador Roberto Rocha, que dispõe sobre a regulamentação da prática desportiva eletrônica e que foi aprovado no dia 9 de julho, sob regime terminativo, na Comissão de Educação, Cultura e Esporte. Entendemos que seja necessário que esse projeto seja discutido de forma mais ampla com partes interessadas, sejam elas atletas de esportes tradicionais ou competidores e empresas de eSports. Hoje, existem cerca de 26,5 milhões de simpatizantes de eSports no Brasil - o terceiro maior público do mundo (crescimento de 18,7o/o entre 2017 e 2018) em um setor que movimentou globalmente R$ 3.3 bilhões em 2018, a maior parte em patrocínios, e com previsão de triplicar de tamanho alé2022. O crescimento vertiginoso no Brasil e no mundo deu-se sempre num contexto de autorregulação do segmento, de forma a permitir o pleno direito à livre iniciativa por parte de publishers e de um vasto ecossistema de empresas e prestadores de serviços que juntos trabalham para criar, financiar, organizar e apoiar torneios cuja audiência alcançou 400 milhões de pessoas em todo o mundo no ano passado. A necessidade de criação de estruturas que "controlem" os eSports carece de maior discussão de forma a alinhar o país às melhores práticas mundiais. E preciso ter cautela em avançar numa direção que possa desviar o Brasil de uma trajetória até agora muito bem-sucedida e com grande potencial de sucesso num futuro proximo. Reiteramos, assim, nossa solicitação de estender o debate acerca do Projeto de Lei 383 de 2017 no Senado de forma a permitir que todos aqueles que têm interesse no assunto possam ser ouvidos de forma adequada e democrática.

No vídeo abaixo, é possível assistir ao momento em que a senadora Leila Barros lê a carta durante uma sessão da Comissão de Educação, Cultura e Esports do Senado Federal:

No fim do vídeo, o senador Dário Berger (MDC-SC) sugere que a senadora Leila faça um requerimento para que o projeto retorne para discussão na Subcomissão de Esporte, na qual um debate maior sobre o assunto poderia ser feito.

No início de julho, a senadora havia afirmado que esports não poderiam ser considerados esporte, na opinião dela. Em seguida, Leila publicou um vídeo no qual afirmou que estava aberta ao debate sobre o assunto.

De acordo com a página do projeto de lei 383/2017 no site do Senado Federal, a proposta estava aguardando interposição de recurso e atualmente foi encaminhada a Coordenação de Redação Legislativa.

Você tem dúvidas sobre o projeto de lei 383? Escreva-as no espaço para comentários.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Bia Coutinho é redatora do Versus. Siga-a no Twitter em @biaacoutinhoo.

Tags Relacionadas
Esports
Mais notícias
Free Fire: Nobru é indicado a Pro Player de Mobile do Ano no Esports Awards 2020
Free Fire

Free Fire: Nobru é indicado a Pro Player de Mobile do Ano no Esports Awards 2020

Além do jogador do Corinthians, outros seis brasileiros são finalistas da premiação
Helena Nogueira
Ana Xisdê é indicada a apresentadora do ano no Esports Awards 2020
Free Fire

Ana Xisdê é indicada a apresentadora do ano no Esports Awards 2020

Brasileira é a segunda a ser indicada na categoria
Helena Nogueira
Existe um time de esports oficial de Neon Genesis Evangelion
Esports

Existe um time de esports oficial de Neon Genesis Evangelion

Entra nos esports, Shinji!
Matheus de Lucca