PUBG

PUBG terá novo modo de espectador, plano de 5 anos nos eSports e apoio financeiro para equipes

CEO da PUBG Corp. anunciou mudanças durante coletiva de imprensa
@biaacoutinhoo
Escrito por
Beatriz Coutinho
Changhan Kim, CEO da PUBG Corp. | Imagem: Barbara Gutierrez
Changhan Kim, CEO da PUBG Corp. | Imagem: Barbara Gutierrez

O PUBG Global Invitational 2018 ainda não começou, mas os fãs do battle royale já podem esperar muitas novidades para o cenário de eSports. Durante uma coletiva de imprensa realizada em Berlim nesta terça-feira (24)*, Changhan Kim, CEO da PUBG Corp., afirmou que o game terá um um novo modo espectador, um plano de cinco anos para o futuro do eSports com apoio financeiro para equipes, além de ligas regionais profissionais.

Leia mais:

1/3
Imagem: Barbara Gutierrez
Imagem: Barbara Gutierrez
Imagem: Barbara Gutierrez
Imagem: Barbara Gutierrez
Imagem: Barbara Gutierrez
Imagem: Barbara Gutierrez

Ligas regionais amadoras e profissionais

De acordo com Kim, 2018 tem sido o ano para a empresa focar em desenvolver um cenário sólido de eSports em PUBG. Para isso, serão criadas ligas regionais amadoras (incluindo campeonatos universitários, femininos, entre outros) e profissionais (com sistema de promoção e rebaixamento) em conjunto com organizações de torneios que trabalharão como parceiras externas de acordo com cada região.

Por enquanto, a desenvolvedora não tem planos para trazer um campeonato profissional regional para a América do Sul, apenas para Coreia, China, América do Norte e Europa.

Além disso, o torneio mundial, o próprio PGI, será realizado sempre pela PUBG Corp. no final do ano - entre novembro e dezembro -, com a participação das melhores equipes de todo o globo, selecionadas através de qualificatórias e das ligas profissionais.

Novo modo espectador

Também há boas notícias para os fãs que acompanham apenas suas equipes preferidas durante as partidas. A partir do PGI, o formato de transmissão dos campeonatos contará com um comentarista para cada time.

De acordo com Richard Junghyun, diretor de marketing da PUBG Corp., a empresa queria oferecer um sistema de multiview para os fãs, já que eles não conseguem assistir todas as equipes de um torneio, porque a transmissão principal mostra apenas os times que estão indo melhor na partida.

“Pensamos em como melhorar isso e chegamos à conclusão de deixar um feed para cada equipe e um caster que comenta essa partida, para oferecer o multiview”, disse Junghyun.

Imagem: Barbara Gutierrez
Imagem: Barbara Gutierrez

“Agora, cada uma das 20 equipes de cada região que estiverem aqui no PGI terá um observador que vem de sua própria região. Por exemplo, o time coreano terá uma transmissão própria com um comentarista coreano. Cada um pode ver sua própria equipe, ouvindo sua própria língua”, completou o diretor de marketing.

Imagem: Barbara Gutierrez
Imagem: Barbara Gutierrez

5 anos para desenvolver o cenário

A estratégia de crescimento do cenário de eSports do PUBG conta com um plano de cinco anos. De acordo com o CEO Changhan Kim, 2018 é o ano utilizado para desenvolver a base das competições, enquanto 2019 e 2020 servirão para solidificar o cenário. Por fim, em 2021 e 2022, a empresa quer fazer o circuito competitivo crescer, alcançando cada vez mais potencial.

A PUBG Corp. pretende investir em um sistema de apoio financeiro aos jogadores profissionais e suas equipes através de bolsas de prêmios, produtos (como agasalhos personalizados de cada time) e conteúdos dentro do game (skins) que serão vendidos e terão suas receitas divididas com os players.

O PUBG Global Invitational acontece entre 25 e 29 de julho, em Berlim, na Alemanha. O campeonato contará com 20 equipes e premiação de US$ 2 milhões.

A equipe que representará a América do Sul no torneio é a Savage eSports, que venceu a qualificatória regional para o torneio.

Barbara Gutierrez é editora-chefe e Bia Coutinho é redatora no Versus. Siga-as no Twitter em @bahgutierrez e @biaacoutinhoo.

*O Versus foi convidado a viajar para Berlim pela PUBG Corp.

Tags Relacionadas
PUBG
Mais notícias
PUBG Mobile: Equipe brasileira Loops vence Pro League e garante vaga no mundial
PUBG

PUBG Mobile: Equipe brasileira Loops vence Pro League e garante vaga no mundial

Time faturou US$ 55,5 mil, cerca de R$ 299 mil
Beatriz Coutinho
Os melhores casos de justiça sendo feita nos esports
Esports

Os melhores casos de justiça sendo feita nos esports

Lembre de jogadores que foram banidos, expulsos ou penalizados por trapaças e por comportamento tóxico
Helena Nogueira
PUBG Corp. bane argentino p0me por 2 anos após atitudes racistas
PUBG

PUBG Corp. bane argentino p0me por 2 anos após atitudes racistas

Caso de reincidência levou a um maior período de banimento
Beatriz Coutinho