PUBG

PUBG Corp. bane argentino p0me por 2 anos após atitudes racistas

Caso de reincidência levou a um maior período de banimento
@biaacoutinhoo
Escrito por
Beatriz Coutinho

Foto: Instagram/Reprodução
Foto: Instagram/Reprodução

O pro player de PlayerUnknown's Battlegrounds Iván "p0me" Lucco foi banido por 2 anos do battle royale. Após exibir um novo ato racista durante uma de suas transmissões ao vivo, a PUBG Corp., que já havia banido o jogador temporariamente pelo mesmo motivo, aplicou a punição que vale para a conta principal do jogador e também sua participação no cenário competitivo.

Leia mais:

Em uma stream realizada em 23 de junho, p0me diz uma expressão obscena e, após falar frases inaudíveis, deixa a transmissão enquanto imita um macaco, referindo-se a jogadores brasileiros. O caso revoltou a comunidade brasileira de PUBG e veio à tona por meio da postagem de Ian "F0rever" Dimitri no Twitter, na qual o jogador afirma que esta não é a primeira vez que p0me é racista. Segundo o brasileiro, o ocorrido no clipe abaixo aconteceu após o argentino ser abatido por seu squad.

A PUBG Corp. publicou um comunicado oficial, no qual afirma que a punição competitiva será de dois anos com início imediado, e foi "baseada no artigo 5.13 do SUPER, conjunto de regras competitivas de PUBG". A versão atualizada do SUPER, de 2020, pode ser acessada por meio deste link. "A PUBG Corp. repudia todos os atos de preconceito, não os tolera e espera que os jogadores profissionais, como ídolos, tenham bom comportamento e sejam exemplo para a comunidade", declarou.

Segundo a assessoria de imprensa dos torneios de PUBG na América Latina, o banimento da conta do jogador também terá duração de dois anos. Esta não foi a primeira vez que p0me exibiu atitudes racistas em suas lives, como é possível ver no vídeo abaixo:

Na última terça-feira (23), o jogador disse que não considera sua atitude como racista. "Peço desculpas a todos os brasileiros que se incomodaram. Já me baniram uma vez por racismo e eu sempre fui contra isso, para mim, o que fiz não foi racista, mas peço desculpas. Por outro lado, vocês não conseguem nada me insultando com mensagens privadas, saudações". O jogador relata ainda que muitos membros da comunidade brasileira mandaram insultos a ele por mensagem direta.

Até o momento, a Team Singularity não se pronunciou sobre a atitude e o banimento de p0me, que joga pela equipe desde maio de 2019.

No Brasil, racismo é crime inafiançável de acordo com a Constituição Federal de 1988, pela lei n.º 7716, de 5 de janeiro de 1989. Já na Argentina, existe a lei 23592, criada em 4 de agosto de 1988, conhecida também como Lei Antidiscriminatória no país.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tags Relacionadas
PUBG
Mais notícias
PUBG Mobile anuncia parceria com grupo de k-pop Blackpink
PUBG

PUBG Mobile anuncia parceria com grupo de k-pop Blackpink

Blackpink in your area!
Matheus Oliveira
PUBG Mobile: Mais de 2 milhões de contas foram banidas por hacks em uma semana
PUBG

PUBG Mobile: Mais de 2 milhões de contas foram banidas por hacks em uma semana

Além disso, quase 1,5 milhões de aparelhos foram proibidos de sequer baixar o game
Matheus Oliveira
PUBG Mobile: Versão 1.0 traz melhorias em texturas, efeitos sonoros e mais
PUBG

PUBG Mobile: Versão 1.0 traz melhorias em texturas, efeitos sonoros e mais

Atualização oferece FPS 30% maior e redução de 76% no lag
Beatriz Coutinho