League of Legends

Project A tem jogabilidade mais parecida com CS:GO do que Overwatch

O estilo mais tático, separado por rodadas mais curtas e sem respawn instantâneo, se aproxima mais ao FPS da Valve
@foxer_jj
Jairo Junior
escreve para o Versus.
Foto: Riot Games/Reprodução
Foto: Riot Games/Reprodução

Projeto A - o novo FPS que está sendo desenvolvido pela Riot Games - está mais próximo de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) do que de Overwatch. Foi o que disse Greg Street, Vice-presidente de IP e entretenimento da desenvolvedora do novo jogo.


Leia mais:


A afirmação deixou os interessados pelo game com ainda mais dúvidas. Afinal de contas, todos já ligavam o novo game ao shooter da Blizzard por conta dos personagens com poderes únicos.

Greg explicou que Projeto A tem diferenças claras em relação ao OW, principalmente na proposta das partidas e em como ele é jogado.

"Embora sejamos honrados por comparações entre o Projeto A da Riot e Overwatch, os dois não são realmente do mesmo gênero. O Projeto A é um jogo de tiro tático. A letalidade é alta e você não reaparece. Controle de mapa e tiroteio são fundamentais. As habilidades são mais sobre utilidade", explicou.

Após as colocações do Rioter, um usuário do Twitter chamado "FL Shift" o indagou sobre uma possível comparação com o CS:GO e Greg respondeu: "Sim, mais perto disso".

Com o que foi revelado sobre o novo título da Riot até o momento, já é possível ter uma noção do que está por vir.

Overwatch se mostra mais caótico, já que há colisões entre as duas equipes completas, no mesmo local, o tempo inteiro. Além disso, as habilidades de OW são essenciais para eliminar os adversários. Já o Projeto A deve chegar com uma gameplay mais cadenciada, com partidas compostas por diversas rodadas e sem respawn imediato - apenas após o fim de cada round. Além disso, também já foi dito que o elemento principal do jogo é a trocação de tiro, enquanto os poderes servem mais para criar situações ao invés de causar dano ao inimigo.

Outro usuário do Twitter chegou a comparar os poderes dos personagens às granadas no CS:GO, que em boa parte do tempo têm uma função mais utilitária de proteger passagens, tirar visão e forçar inimigos a se moverem do que propriamente eliminá-los apenas com elas - tudo de forma menos real, é claro, já que Projeto A se trata de poderes como pulos sobre-humanos, paredes criadas, teletransporte e afins.

Projeto A ainda não tem uma previsão exata de lançamento. De acordo com a própria Riot Games, mais informações sobre o FPS chegam apenas em 2020. O jogo ainda se encontra em produção e testes - inclusive, ele foi testado e aprovado por jogadores profissionais de CS:GO e Overwatch.

O shooter fez parte de uma série de anúncios da Riot na transmissão comemorativa dos 10 anos de League of Legends. Além do Projeto A, também foram anunciados jogos de cartas, luta, RPG e versões mobile. O Versus teve a oportunidade de testar dois deles: o Wild Rifts - LoL mobile - e também o Legends of Runeterra - card game. Veja como foram as experiências nos vídeos abaixo:


Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Mais notícias
LoL: brTT não renova com Flamengo e está aberto a propostas de outros times
League of Legends

LoL: brTT não renova com Flamengo e está aberto a propostas de outros times

Pro player defendeu o rubro negro por quase dois anos
Beatriz Coutinho
LoL, Notas da Atualização 9.23: Rifts Elementais e Dragões renovados mudam tudo
League of Legends

LoL, Notas da Atualização 9.23: Rifts Elementais e Dragões renovados mudam tudo

Veja as principais novidades da pré-temporada 2020
Helena Nogueira
LoL: Ex-treinador e diretor da Griffin são banidos por má gestão e abuso a jogadores
League of Legends

LoL: Ex-treinador e diretor da Griffin são banidos por má gestão e abuso a jogadores

Além disso, organização recebeu multa da Riot Games no valor de US$ 85 mil
Beatriz Coutinho