Comunidade

Pokémon é um eSport? Conversamos com o pro player Wada sobre o game

Jogador tem 17 anos e já jogou em mais de 9 campeonatos mundiais
@thais.stagni
Escrito por
Thais Stagni
Gustavo Wada começou a jogar com 9 anos, e desde então nunca parou. Foto: Reprodução/Acervo pessoal.
Gustavo Wada começou a jogar com 9 anos, e desde então nunca parou. Foto: Reprodução/Acervo pessoal.

Pokémon TCG já tinha torneios mundiais bem antes dos eSports virarem uma verdadeira febre, mas justamente por ser um game físico de cartas, há pessoas que não consideram o jogo pertencente ao mesmo mercado competitivo. Por conta disso, o Versus conversou com ninguém menos senão Gustavo Wada para ajudar a responder a pergunta: afinal, Pokémon TCG é um eSport?

"Eu considero [Pokémon um eSport], porque ele tem todos os requisitos de um eSport", declarou Wada em entrevista exclusiva. "Comparado a jogos como Hearthstone ou Gwent, você vê semelhanças, principalmente de treino e preparo físico, mas são habilidades distintas."

Não conhece o jogador? Pois deveria. Com apenas 17 anos e mais de 25 títulos, o brasileiro é atualmente um dos profissionais de Pokémon mais conhecidos do cenário competitivo.

Atualmente, ele representa a Team Innova, e já participou de mais de nove competições mundiais... Das quais ele se lembra. Afinal de contas, para alguém que possui tantas conquistas, deve ser mesmo difícil recordar-se de todas elas!

Sempre apoiado pelos pais - e até acompanhado por eles na maioria dos torneios -, Wada afirmou que um dos momentos mais difíceis de sua carreira foi a chamada "Virada de Categoria".

Explicando melhor, todos os campeonatos de Pokémon são divididos em três grupos, sendo um até os 10 anos de idade, um até os 16 anos e um acima dos 16 anos.

"A virada de categoria foi um choque, porque você começa a jogar com pessoas que têm muito mais experiência", declarou Wada. "Quando você muda, você joga com pessoas que já estão acostumadas com outro modo de jogo".

Foto: Gustavo Wada, o próprio Ash Ketchum do Brasil! (Reprodução)
Foto: Gustavo Wada, o próprio Ash Ketchum do Brasil! (Reprodução)

O jogo acaba mudando, além de existirem pro players que já estão há mais tempo nesse novo meta. Ainda assim, Wada manteve-se confiante e treinando e, apenas um ano após mudar de categoria, foi campeão mundial de Pokémon.

Na época, ele esteve invicto na temporada. "Eu fiz grandes resultados, mas nunca foi sozinho", afirmou o jogador.

De acordo com ele, além de ter amigos com quem ele originalmente criou um time "de brincadeira". Para tornar-se um profissional, Wada contou com o apoio da Innova, de sua família e, claro, da própria comunidade.

"A comunidade é incrível, todo mundo é amigo fora do jogo", declarou Wada. "A competitividade fica só dentro do campeonato. Depois [dos jogos] a gente sempre sai todo mundo. Claro que tem um ou outro que dá rage e quer aparecer, mas são bem poucos, sabe? No geral, somos todos amigos."

Ainda assim, não é apenas da vitória que Wada está atrás. Apesar de, mesmo após quase 10 anos de carreira, o jovem pro player ainda sentir aquele friozinho na barriga quando vai jogar, o que mais o surpreende atualmente é o seu contato com a comunidade.

"As pessoas às vezes falam comigo e eu penso que tenho fãs. É engraçado", declarou o jogador. "Eu gosto muito quando me pedem dicas de deck, ou falam comigo sobre o jogo."

Agora você já sabe para quem perguntar sobre Pokémon!

Thaís Stagni é redatora do IGN Brasil. Siga-a no Twitter.

Tags Relacionadas
Comunidade
Mais notícias
Team Liquid inaugura centro de treinamento na Europa e Brasil pode ser o próximo
Mercado

Team Liquid inaugura centro de treinamento na Europa e Brasil pode ser o próximo

As equipes passarão a treinar no prédio da organização na Holanda
Matheus Oliveira
Mundial de LoL: Metrô de Xangai recebe decorações do Worlds 2020
League of Legends

Mundial de LoL: Metrô de Xangai recebe decorações do Worlds 2020

O campeonato acontece entre 25 de setembro e 31 de outubro
Matheus Oliveira
NimoTV organiza competição para celebrar dois anos no Brasil
Comunidade

NimoTV organiza competição para celebrar dois anos no Brasil

As recompensas variam de iPhones a headsets e cadeiras gamer
Matheus de Lucca