League of Legends

Perfil: "O League of Legends mudou minha vida", diz Henrytado

Maior ícone de representatividade no League of Legends, Henry conta sobre carreira
@iugahtk
Lucas Hagui
escreve para o Versus.
Influenciador é youtuber, streamer e ator. Foto: Reprodução/Riot Games
Influenciador é youtuber, streamer e ator. Foto: Reprodução/Riot Games

Ator, streamer, youtuber. Henry “Henrytado” Walnut começou sua carreira como criador de conteúdo com League of Legends quando o jogo sequer tinha um servidor brasileiro, sendo um dos primeiros streamers brasileiros a se abrir com o grande público em relação a sua sexualidade.

Em entrevista ao Versus, Henrytado falou sobre representar a comunidade LGBT no LoL, como tudo começou e seus planos para o futuro.

Encontrando seu lugar

Foi em Senhora dos Remédios, um município de Minas Gerais com cerca de 10 mil habitantes, que o streamer nasceu.

Criado em uma família conservadora, que não aceitava o fato de ter um filho gay, Henry foi obrigado a praticar futebol desde pequeno.

Para ser parte do todo - já que sentia não pertencer àquele lugar -, o jovem aproveitou a facilidade que tinha em aprender e dedicou-se a diversos esportes durante o ensino médio para não ser excluído do grupo de colegas.

Mesmo assim, tinha medo que as pessoas descobrissem sua homossexualidade: “Eu passei 15 anos da minha vida interpretando um papel, o papel do Henry hétero”. Hoje, com 27 anos, sua história é bem diferente.

Em alguns de seus vídeos, Henry fala sobre a falta de representatividade nos games e cultura pop. Imagem: Reprodução/Youtube
Em alguns de seus vídeos, Henry fala sobre a falta de representatividade nos games e cultura pop. Imagem: Reprodução/Youtube

Para Henry, viver naqueles moldes era cada vez mais difícil. Desta forma, antes mesmo do lançamento de LoL, ele encontrou nos games um refúgio; seja nos jogos de RPG, card games, DotA ou World of Warcraft. “Tudo o que tinha [para jogar] eu joguei, porque era uma forma de fugir daquela realidade.”

Na infância, o criador de conteúdo costumava ir em lan houses com seu irmão - que teve papel importante na aceitação da sexualidade de Henry - para jogar Counter Strike.


Evolução

Foi apenas anos depois, morando longe do pai e cursando Artes e Design na Universidade Federal de Juiz de Fora, que o influenciador teve oportunidade de, aos poucos, encontrar seu lugar no mundo.

Mesmo fazendo faculdade, Henry começou a fazer transmissões, dividindo o tempo que tinha para se dedicar às duas atividades. Enfrentando de frente o preconceito e quebrando concepções sobre como deveria se portar, ele foi um dos primeiros criadores de conteúdo no Brasil a assumir sua sexualidade e, por três anos, foi o único streamer gay no país.

Henrytado em evento LGBT do Google com Amanda Sparks e Amy Candy. Imagem: Reprodução/Acervo Pessoal
Henrytado em evento LGBT do Google com Amanda Sparks e Amy Candy. Imagem: Reprodução/Acervo Pessoal

Justamente por ter um alto nível competitivo em League of Legends, Henrytado conheceu os pro players Matheus “Mylon” Borges, “Kami” Bohm, Felipe “BrTT” Gonçalves e André “Manajj” Rocha, por jogarem juntos no servidor estrangeiro.

Com o crescimento do canal na Twitch, surgiu o pedido dos fãs para que ele criasse um canal no YouTube.

Construindo um novo mundo

Depois de se graduar e fazer uma especialização, o streamer decidiu começar um mestrado para seguir um outro caminho: viver em São Paulo.

Investindo cada vez mais na produção de conteúdo, Henry não tinha pretensão de ser um ícone LGBT, visto que o influenciador “nunca pensou que faria algo para revolucionar”.

O jovem só percebeu que se tornou uma figura do movimento gay quando publicou um vídeo sobre a música “Indestrutível”, da cantora Pablo Vittar, em abril de 2018: “Eu me tornei aquilo que eu exatamente deveria ser”.

Streamer caracterizado de rainha Elsa durante live. Imagem: Reprodução/Acervo Pessoal
Streamer caracterizado de rainha Elsa durante live. Imagem: Reprodução/Acervo Pessoal

Mesmo aparentando ser uma pessoa segura de si na internet ao falar abertamente sobre doenças psicológicas, representatividade LGBT e outros assuntos delicados, o youtuber ainda tinha algumas inseguranças em relação às suas metas: “Nunca pensei em virar dublador profissional porque achava minha voz feia e ‘de viado’”.

Com a dublagem, Henry aprendeu a cantar, atuar com a voz e entendeu mais uma vez que “estava tudo bem em dizer que sou gay”.


League of Legends e YouTube

Avaliando sua carreira, o youtuber comenta que sua independência financeira foi uma de suas grandes vitórias. Contudo, seu maior triunfo foi - por conta das dificuldades - ter se tornado uma pessoa fortalecida que promove debates a respeito de pautas importantes, muito além de homofobia. “Coisas que eu tinha medo e vergonha [de falar] antigamente, hoje tenho orgulho”, reconhece.

“O League of Legends mudou a minha vida”, diz Henry. Ele confessa que possui o sonho de marcar o game na mesma intensidade em que foi marcado. Ao ser questionado pela reportagem do Versus sobre o futuro de sua carreira, o influenciador falou em tom animado: “Acho que só falta fazer a voz de um campeão de LoL”.



Siouxsie Rigueiras é jornalista no Versus, siga-a no Twitter.

Tags Relacionadas
League of Legends
Mais notícias
TFT receberá tabuleiro maior em próximas atualizações
Teamfight Tactics

TFT receberá tabuleiro maior em próximas atualizações

Serão mais opções para posicionamento
Matheus Oliveira
LoL: YoDa, brTT, Sneaky e mais são ilustrados em mural comemorativo de 10 anos
League of Legends

LoL: YoDa, brTT, Sneaky e mais são ilustrados em mural comemorativo de 10 anos

Vários dos grandes nomes do cenário retratados em apenas uma pintura
Matheus Oliveira
LoL: Riot Games e Panasonic trarão jogos da LCS para sistema de bordo de aeronaves
League of Legends

LoL: Riot Games e Panasonic trarão jogos da LCS para sistema de bordo de aeronaves

Voos que receberão a liga na programação ainda não foram revelados
Helena Nogueira