Overwatch: “Aqui valorizam minhas habilidades”, conta AVALLA, técnica da Washington Justice

Da Oceania para o maior palco de Overwatch do mundo!
Montagem: Lucas Hagui/Reprodução
Montagem: Lucas Hagui/Reprodução

A segunda temporada da Liga Overwatch começou e com ela vieram diversas novidades. Se no primeiro ano tivemos a primeira pro player do torneio, em 2019 a competição recebeu a primeira técnica. Você conhece a história de Kim "AVALLA" Kyeong-ey, coach da Washington Justice?

Leia mais:


AVALLA faz parte do cenário competitivo de Overwatch desde os primórdios do game e já passou por vários continentes atuando em diversas áreas.

Nascida na Austrália, se hoje Kim é uma das melhores técnicas do mundo, é porque ela também demonstra habilidades incríveis como jogadora - coisa que, para ela, era apenas divertimento:

"Overwatch era apenas um hobby, mas nunca deixei de lado a minha vontade de melhorar em tudo. Na minha primeira temporada competitiva consegui bronze, aí comecei a consumir conteúdo e estudar o jogo e subi ao diamante. Na temporada seguinte cheguei no Grão-Mestre."

 "Adivinhem quem ganhou a camisa da Avalla", diz o tweet da técnica.

Após atingir o topo das partidas ranqueadas, AVALLA decidiu aventurar-se em competições maiores, partindo de uma equipe da Divisão Aberta de Overwatch e chegando na parte superior do ranking da Contenders sul-coreana.

"Comecei tomando conta de alguns vídeos para um time da Divisão Aberta que não teve muitos resultados. Como não contavam com nenhuma treinadora, decidi dar toques para os jogadores", diz Kim. "A experiência que eu consegui ajudou a me desenvolver e, pouco tempo depois, entrei para a Frecia como head coach e os levei para a Contenders Trials da Coreia do Sul." 

 "Dia de imprensa", diz o tweet acima.

Após sua temporada da Coreia do Sul, falar outros idiomas deixou de ser um desafio e, assim, a técnica foi chamada pela OpTic Academy - equipe de base da Houston Outlaws -, para resolver um dos maiores problemas do time: a barreira linguística.

A Academy conta com pro players norte-americanos e sul-coreanos no elenco, o que fez de AVALLA a presença mais importante da line-up na primeira temporada de 2018:

"Por conta das minhas habilidades bilíngues como técnica, me ofereceram um trabalho como coach da OpTic, onde criei uma ponte para os jogadores que falavam inglês e sul-coreano", conta Kim. "Acabamos em terceiro naquela temporada."

"Essas oportunidades foram o suficiente para me trazer a OWL, como parte da Washington Justice", conta a técnica, que agora representa a equipe da capital norte-americana na competição. "Aqui valorizam minhas habilidades", completa.

Foto: Blizzard/Reprodução
Foto: Blizzard/Reprodução

"A Liga Overwatch é incrível e melhor que qualquer outra experiência que eu já tenha vivido. Por mais que a comissão não possa ficar no palco junto aos jogadores, ouvimos todas as comunicações e sabemos exatamente onde precisamos melhorar a cada semana", diz AVALLA.

"É muito animador estar no centro de toda a competição, onde, literalmente, milhares de pessoas estão assistindo", completa.

Fora dos games e esports, Kim começou uma graduação em advocacia. A técnica conta que este ainda é um objetivo: "Para o longo prazo, quero continuar a graduação e me formar como advogada, com isso, poderei continuar trabalhando para ajudar os esports e jogadores", finaliza.

A Liga Overwatch retorna nesta sexta-feira (8), com o confronto entre Paris Eternal e Vancouver Titans, às 21h.  

O próximo embate da Washington Justice será contra a Seoul Dynasty, no sábado (9), às 18h30.

Lembrando que a segunda temporada conta com transmissão oficial em português, com Felipe Tonello, Thauê Neves, Ana Paula "Ana Xisde" Cardoso, Arthur "Vecet" Rage, Petar Neto e Guilherme "Demo" Ono. 



Helena Nogueira é repórter e Matheus Oliveira é redator do Versus. Siga-os no Twitter em @helenavnogueira e @_matheusF23