Mercado

"O público não leva mais em consideração marcas oportunistas", diz CEO da ACER Brasil

Anderson Kanno falou das estratégias da empresa e a aproximação cada vez maior com o Brasil
@Foxer_JJ
Escrito por
Jairo Junior

Estande da ACER na Brasil Game Show | Foto: Última Ficha/Reprodução
Estande da ACER na Brasil Game Show | Foto: Última Ficha/Reprodução

A ACER nasceu do outro lado do mundo, em Taipei, Taiwan, mas está cada vez mais próxima do Brasil. Ela possui linhas completas de produtos no país, está presente em eventos como a Brasil Game Show e até mesmo patrocina equipes locais nos esportes eletrônicos. Para sabermos mais sobre esta proximidade e os planos da empresa, o Versus conversou com o CEO da marca em solo nacional, Anderson Kanno.

Leia mais:

Trabalho e investimentos

De acordo com o Diretor-Geral, a ACER possui dois pilares que ditam a forma como a empresa se comporta e toma decisões por todo o mundo. O primeiro deles é se relacionar com diferentes frentes, desde publishers até organizações e o próprio público, enquanto o segundo é que tudo seja feito pensado a longo prazo.

"O Brasil é uma extensão da estratégia mundial da Acer. Isso é muito bom pois nos dá força para fazer coisas bacanas como estar na Brasil Game Show, por exemplo. Internacionalmente nós também temos alguns pilares como o League of Legends quando patrocinamos o Worlds e agora o Rainbow Six, que também está sendo patrocinado de forma global pela Acer. Além disso também existem patrocínios com as equipes que já duram mais de dois anos, como por exemplo a Black Dragons e a Keyd. São ações a longo prazo que buscamos e aplicamos tanto de forma global quanto local."

Nesta caminhada, também é importante mostrar trabalho e se provar a cada dia. A concorrência é grande, mas o empresário acredita que ela só acontece entre os bons, pois as pessoas sabem exatamente como diferenciar isso.

"Apesar da linha Predator ser recente, já colocamos em prática a fabricação no Brasil dela e também da Nitro, que é outra linha gamer nossa. Então, neste pequeno período, trabalhamos arduamente todo o processo de criação da marca e aumento de relevância. É preciso dizer que o público está cada vez mais bem informado, então eles não levam mais em consideração marcas oportunistas. Então, quando falo de estratégias de longo prazo e desenvolvimento de mercado, acredito que nós já provamos e continuamos a provar que a Acer não é uma dessas marcas oportunistas, mas sim que investe no mercado gamer do Brasil não só na parte de comunicação, mas também no desenvolvimento do produto."

O empresário conta que a ACER pretende ser cada vez mais ativa em diferentes aspectos do mercado - seja em eventos, organizações e outros locais. Principalmente no Brasil onde eles já se instalaram e a marca só cresce.

"Nós estamos tentando nos envolver com projetos de todos os tipos, mas que ajudem a desenvolver o segmento. Isso é muito importante. É por isso que estamos sempre presentes em eventos relacionados ao mundo gamer, desde BGS até Game XP e ESL. Fora isso, também buscamos o desenvolvimento dentro do varejo com ativações como a cadeira Predator Thronos - que foi eleita um dos melhores setups da feira - e também juntos a lojas para popularizarmos cada vez mais o conceito do notebook gamer".

Ser mais ativo também significa mais investimentos para o âmbito nacional - desde a chegada de fábricas para o país, até estar presente juntamente ao público e patrocinados em todas as ocasiões possíveis.

"O Brasil é o único país do mundo que tem este formato de fabricação local para que o consumidor daqui tenha preços mais acessíveis. Para tudo isso ser feito, foi preciso investimento desde o começo até hoje nos tornarmos uma marca de importância no mercado. Eu considero isso um dos nossos fatores de sucesso, pois é muito fácil fazer ações pontuais como apenas um evento ou uma promoção e acabou. Esse nunca foi nosso intuito. Não é à toa que a Predator no Brasil possui uma linha completa de notebooks, monitores gamers de altíssima qualidade, linhas de acessórios completa e mais."

Dificuldades

Quando o assunto é preço, Kanno reconhece que isso é um problema por aqui. Inclusive, esta é uma preocupação constante da empresa. Não é à toa que eles possuem "planos traçados unicamente para o mercado nacional". Ainda assim, isso mostra um problema para ambos os lados.

"Nós enxergamos que o Brasil, apesar de ser um mercado grande e consolidado, tem um número baixo de vendas de notebooks gamers em relação a países com potencial similar, como o Chile por exemplo", explica Anderson Kanno. "Para isso, nós estamos sempre pensando em formatos de produção e de chegar no consumidor de forma mais efetiva. Hoje nós temos produtos com a última tecnologia lançada no mercado e também notebooks que rodam todos os jogos com boa qualidade e um preço acessível – que obviamente acaba ficando um pouco mais caro que o notebook normal até pelas tecnologias que eles carregam. Falando de placa de vídeo, vamos desde a GTX 1050 até a RTX 2080".

Para lidar com tudo isso, também é preciso de mão de obra qualificada e empresas sérias. Com a unificação destes poderes, a força enfim pode ser alcançada.

"Precisamos trazer profissionalismo para este segmento", afirma. "Só assim teremos mais investimentos de multinacionais no mercado brasileiro gamer. É por isso que nós nos desenvolvemos com agências especializadas e parcerias fortes como Intel e Nvidia que também estão com a gente. Elas próprias também têm esta mesma necessidade, mas aos poucos criam uma rede que valha a pena estar junto".

Esporte eletrônico e criadores de conteúdo

O esport e tudo que envolve a prática também são segmentos que a ACER está completamente envolvida - desde o fornecimento de equipamentos até mesmo a parceria com equipes e eventos.

No âmbito dos streamers por exemplo, Anderson Kanno destaca a importância que estes profissionais têm para o mercado. Segundo ele, eles acabam com o limite presencial de um evento para levá-lo de forma digital para todo país.

"É sempre muito importante ter os streamers conosco. A gente sabe que a BGS por exemplo é o maior evento gamer da América Latina e que são esperadas mais de 300 mil pessoas durante o período em que ela acontece. Mesmo assim, se não replicarmos isso no mundo online e passarmos informações para quem infelizmente não pode estar aqui, tudo fica restrito apenas a estes dias. É por isso que temos fortes parcerias com streamers e também buscamos outras formas de reforçar isso com plano de marketing, outras ações e até mesmo a aproximação com veículos de mídia. É toda uma estratégia global que, em conjunto, trazem uma sinergia para que a marca seja conhecida no mercado."

A questão dos criadores de conteúdo porém, precisa ser vista de forma diferente no Brasil. O que dá muito certo lá fora, não necessariamente terá o mesmo efeito por aqui. É um trabalho a mais para a ACER Brasil, mas também é algo que beneficia os profissionais do país.

"No mundo, um dos maiores streamers com quem temos parceria é o Shroud. Mas a gente também precisa observar as peculiaridades que cada país possui. No Brasil por exemplo, apesar do tamanho do Shroud, é possível que outros criadores nacionais tenham muito mais relevância para o público daqui do que ele. Isso por diversos fatores, desde barreiras linguísticas e culturais até a questão dos jogos mais populares de cada região. Completando um pouco do que falamos anteriormente, nós criamos estratégias que estão alinhadas entre si, mas que também são adaptadas para cada parte e segmento."

O esport é outra parte que também merece olhares a parte. O CEO conta que é de extrema importância saber diferenciar os tipos de públicos que a ACER contempla. Principalmente porque as necessidades são muito diferentes.

"O entendimento do que é o público gamer em geral e o dos esports é algo que sempre levamos em consideração, principalmente nas nossas ações de marketing. Creio que a maioria das pessoas joga, assim como eu, para se divertir e não se tornar um atleta. O objetivo da Acer é atender a maioria e isso influencia na escolha de portfólio que nós fazemos para o Brasil. Porém, ao mesmo tempo, também queremos atender o esport e é lá que nós normalmente mostramos a qualidade dos nossos melhores produtos e a tecnologia que eles trazem, já que o alto nível requerer os melhores equipamentos. Resumindo, nós consideramos os esports como a Fórmula 1, que é onde terá o máximo desempenho do motor, consumo de gasolina e etc."

O futuro

Segundo Anderson Kanno, os planos para 2020 já estão traçados. O que é preciso agora é tirá-los do papel e botar a mão na massa para que tudo se torne possível.

"Mundialmente a Acer continuará a investir no segmento gamer", crava o empresário. "Nós já temos até mesmo um portfólio definido para começar 2020 e acreditamos estar no caminho certo. O desafio agora é continuar evoluindo todo este trabalho que viemos fazendo".

*Esta matéria é um oferecimento Predator. Acesse a Acer Store para promoções de Black Friday.

Tags Relacionadas
MercadoBGS 2019 Acer
Mais notícias
Série de lives sobre profissões nos esports começa neste sábado (1)
Mercado

Série de lives sobre profissões nos esports começa neste sábado (1)

Maratona conta com 45 personalidades do cenário para compartilhar experiências
Matheus de Lucca
Ninja diz que trabalhar com entretenimento em Hollywood será seu próximo passo
Ninja

Ninja diz que trabalhar com entretenimento em Hollywood será seu próximo passo

Será que os fãs poderão ver obras estrelando o influenciador em breve?
Matheus Oliveira
LoL é o jogo de PC de maior impacto do último trimestre, aponta pesquisa
League of Legends

LoL é o jogo de PC de maior impacto do último trimestre, aponta pesquisa

A Riot Games é a desenvolvedora mais bem representada entre os principais
Matheus de Lucca