Comunidade

Mulheres executivas nos eSports: Conheça o grupo formado por mães de Yoda, Rakin, Fallen e mais

A "Liga das Mães" ajuda a profissionalizar o cenário de esportes eletrônicos
@biaacoutinhoo
Beatriz Coutinho
escreve para o Versus.
Caterina, Kenia, Adriana e Debora: as mães dos eSports | Imagem: Arquivo pessoal
Caterina, Kenia, Adriana e Debora: as mães dos eSports | Imagem: Arquivo pessoal

Se existe algo que um pro player precisa mais do que bons periféricos, talento e treino é o apoio de sua família. Neste domingo (13), é comemorado o Dia das Mães e o Versus conversou com um grupo de mulheres que deram vida e suporte a grandes jogadores do cenário brasileiro, como Gabriel “falleN” Toledo no CS:GO ou Felipe “Yoda” Noronha e Rafael “Rakin” Knittel no League of Legends.

Juntas, Adriana Noronha, mãe de Yoda; Kenia Priscilla, mãe de falleN; Debora Knittel, mãe de Rakin, e outras mulheres, querem deixar sua marca no cenário brasileiro de esportes eletrônicos e já adiantam que a comunidade pode esperar por “novidades em breve”.

Leia mais:

Kenia e Adriana no Encontro das Lendas, em São Paulo | Imagem: Arquivo pessoal/Adriana Noronha
Kenia e Adriana no Encontro das Lendas, em São Paulo | Imagem: Arquivo pessoal/Adriana Noronha

MEeS: Mulheres Executivas nos eSports

Em julho de 2017, durante o Encontro das Lendas - evento que reuniu jogadores da SK Gaming com seus fãs, em São Paulo - Adriana, que também é assessora do filho Yoda, conheceu Kenia, que ajuda a administrar a marca GFallen.

“Foi muito bacana, porque eu pude perceber o quão empresária e empreendedora ela era. Desde o início, a gente teve muita sinergia porque eu percebi uma outra mulher com direção executiva no mesmo universo que eu estava explorando”, disse Adriana.

Após diversas conversas e trocas de experiência, ambas foram convidadas para palestrar na Campus Party 2018, onde conheceram Debora Knittel e Caterina Salvati, advogada do pro player Felipe “brTT” Gonçalves de LoL e mãe da streamer Giuliana “caju” Capitani. Cheias de ideias, elas decidiram formar o grupo MEeS: Mulheres Executivas nos eSports.

Imagem de divulgação do evento realizado na Campus Party. Foto: Reprodução
Imagem de divulgação do evento realizado na Campus Party. Foto: Reprodução

De acordo com Adriana, “a iniciativa é promover o empoderamento feminino, estimular negócios, fazer network, fortalecer relações entre mulheres, ajudar na parte de aprendizado, buscar soluções, fortalecer esse universo feminino para um objetivo comum que é a profissionalização do mercado”.

“Percebemos que existia um desejo comum no grupo, de realizar algo de valor para a comunidade, onde cada uma de nós, com nossa experiência individual, pudesse contribuir com outras mulheres, mães, executivas, que têm dúvidas, incertezas e dificuldades em encontrar informações sobre esse mercado tão novo”, afirmou Kenia.

“Estamos dispostas e motivadas a fazer a diferença e trazer temas importantes para o cenário de eSports", conta Debora. "Somos mulheres, mães e profissionais com um desejo imenso de deixarmos um legado para nossos filhos e para o mundo!”

Rindo, Kenia afirmou que o grupo terá “novidades em breve”.

De acordo com Adriana, “a ideia é, talvez ainda para esse primeiro semestre, realizar um workshop e alguns bate papos informais com outras mães.” Ela afirmou que Sandra Bohm, mãe de Gabriel “Kami”, e Tereza Rodrigues, mãe de Micael “micaO”, também estão engajadas com o projeto.

Adriana e o filho Yoda | Imagem: Arquivo pessoal/Felipe Noronha
Adriana e o filho Yoda | Imagem: Arquivo pessoal/Felipe Noronha

Adriana Noronha, a suporte do Yoda

“Foi uma surpresa quando ele resolveu assumir essa carreira [como pro player de League of Legends] porque ele tinha acabado de passar na prova do Barro Branco e ele já estava meio engajado com a carreira militar”, contou Adriana.

Quem vê Yoda comandando o YoTalkShow, jogando LoL pela Submarino Stars e usando seus bordões por aí, não imagina que a vida do pro player, streamer e apresentador poderia ter sido muito diferente. Apesar do susto, sua mãe nunca lhe negou as oportunidades que surgiram em sua vida.

Depois de muito pesquisar para entender o que era aquele novo mundo no qual via Yoda entrar, ela percebeu, no início de 2014, quando o jogador estava na IMP Esports, que “era um mercado muito amador, sem regulamentação ou leis que conseguem direcionar as profissões que estão envolvidas no meio” e que iria “assessorar o Yoda pra ele que pudesse ter um futuro num universo realmente tão novo.”

Depois de ter assessorado não só o filho, mas diversos streamers e influencers, como Toboco, Tixinha, Aline Faria, Jukes, Jovirone e outros, Adriana continua administrando as marcas de Yoda, como a Seh Loiro, é produtora técnica do YoTalkShow e licencia os bordões que fazem a alegria dos fãs.

Estreia do programa YoTalkShow | Imagem: XLG Uol
Estreia do programa YoTalkShow | Imagem: XLG Uol

Para ela, um dos momentos mais marcantes de sua carreira - e também da do filho - “foi a estreia do programa YoTalkShow”. Além de dirigir o programa ao lado de Yoda, ela afirmou que foi uma grande experiência perceber quantas pessoas faziam aquilo acontecer, “desde o cosplayer, o maquiador, o editor, o cara que cuida da iluminação”, entre tantos outros.

“No countdown a gente já tinha 15 ou 20 mil pessoas esperando para assistir o programa, e aí quando o Yoda já estava ao vivo, começou a subir a quantidade de viewers e chegou a 115 mil pessoas assistindo. Foi um momento maravilhoso, porque além de tudo, ele é o meu filho!”

Kenia e o filho Fallen | Imagem: Gabriel Toledo
Kenia e o filho Fallen | Imagem: Gabriel Toledo

Kenia Priscilla, a mãe Verdadeira

“De certa forma, quem introduziu o jogo em casa, fui eu. Sempre gostei de videogames, quando viajava para fazer compras para a loja [de informática], trazia algum lançamento de jogo, para brincarmos juntos”, afirma a mãe do Verdadeiro, apelido carinhoso do jogador Fallen na comunidade de CS:GO.

Se por um lado Kenia apresentou os games aos quatro filhos, por outro ela sempre soube exatamente a hora de tirá-los da frente do computador. “Os meninos aqui em casa sempre lembram de quando ficavam muito tempo no computador. Se eu chamava para almoçar ou jantar e não vinham, eu ia até o modem da internet, desconectava e escondia. Rapidinho todos apareciam!”

Kenia, de boné e camiseta amarela, durante a torcida para a ESL One Colônia | Imagem: Clicia Oliveira
Kenia, de boné e camiseta amarela, durante a torcida para a ESL One Colônia | Imagem: Clicia Oliveira

A vida de Kenia mudou de verdade quando falleN recebeu seu primeiro convite para jogar fora do país. Foi aí que ela percebeu que o filho não era somente ídolo dela, mas de outras centenas de pessoas, e ficou emocionada quando lembrou de ver ao vivo um dos Majors que a SK venceu na Alemanha.

“Centenas e centenas de pessoas naquele estádio... Sentir a paixão e o carinho daqueles fãs pelo time, pelo Gabriel, sem dúvida é algo que marcou minha vida para sempre. Lembro que sentei na arquibancada e aquele parecia outro universo, foi lindo de viver! Inesquecível.”

Atualmente, ela é uma das principais pessoas por trás da loja GA Store e da marca Gfallen. “Nosso objetivo é construir uma caminhada de valor dentro do mercado que tanto amamos. É muito gratificante trabalhar com a comunidade dos eSports, recebemos dezenas e dezenas de mensagens sobre inspiração, luta, apoio e força daqueles que valorizam nossa caminhada.”

Carinhosa, ela deixa um recado para mães e pais que têm filhos com vontade de serem pro players: “Continuem acompanhando os filhos de perto, orientando, buscando conhecer mais sobre as novas oportunidades que o mundo do esporte eletrônico está criando. O melhor caminho é o da informação, o resto, o amor que existe dentro de cada um vai saber conduzir”.

Debora, o marido e o filho mais novo durante a Escalada do CBLoL | Imagem: Riot Games
Debora, o marido e o filho mais novo durante a Escalada do CBLoL | Imagem: Riot Games

Debora, a fã número #1 do Rakin

Formada em pedagogia com especialização em psicopedagogia, Debora Knittel sempre soube que o melhor jeito de entender a profissão de Rakin em League of Legends era pesquisando.

“Quando ele disse que queria seguir a carreira no League of Legends não foi surpresa para nós [ela e o esposo Fidel], mas no início foi difícil, nós só conhecíamos o lado do entretenimento”, afirmou a escritora de livros infanto-juvenis e para jovens adultos.

“Precisamos pesquisar sobre o cenário. A paixão do Rafa e a vontade de realizar seu sonho, junto com seu empenho em fazer dar certo, nos fez apoiar sua escolha. Cada vez mais, fomos conhecendo o mundo dos eSports e reconhecendo que ele era maior e mais sólido do que pensávamos.”

Rakin ainda estava na JAYOB quando sua mãe assistiu à primeira partida de League of Legends do filho. “Nos primeiros jogos eu ainda não estava familiarizada com a dinâmica do LoL, mas ver meu filho se dedicando e mostrando seu potencial me deixou muito feliz.”

Essa felicidade só cresceu conforme a carreira de Rakin evoluiu. O momento que fez Debora entender o quanto o filho era talentoso e reconhecido foi quando o jogador foi contratado pela Pain Gaming. “No dia de anunciarem a contratação, Rafa apareceu na transmissão ao vivo do jogo [na final do 2º split do CBLoL 2015]. Ao ouvir as pessoas do estádio vibrarem quando ele apareceu com a camisa do time, tive a certeza de que ele tinha conquistado seu lugar no cenário dos eSports.”

Seu momento mais marcante em relação a carreira do filho é recente. “Com certeza foi o jogo da escalada do 1º split, que a CNB fez contra a ProGamig. Ficará para sempre marcado em nossa história. A série foi muito difícil e na última partida a CNB ganhou surpreendendo a todos. Fiquei rouca por três dias de tanto que torci. Rafa se superou e jogou muito, foi uma emoção imensa e inesquecível.”

Ela acredita que o caminho ideal para pais que têm filhos com vontade de serem pro players é a conversa. “Surgiram cenários e profissões que não imaginávamos tempos atrás [...]. Acredito que acompanhando essas mudanças e reconhecendo o cenário, conseguimos criar uma ponte de diálogo."

Debora finaliza: "Se nós valorizarmos o que nossos filhos têm para nos dizer, criamos a possibilidade deles ouvirem o que temos para dizer também. Avaliem juntos o cenário, as expectativas e as realidades. Se vocês identificarem potencial, vontade e amor, se seu filho tiver a oportunidade de realizar um sonho, acredito que vai valer a pena tentar!”


O Versus deseja um feliz Dia das Mães para todas as mães do mundo - desde as mamães que jogam ao lado de seus filhos e filhas até aquelas que pedem para pausar o jogo online.


Bia Coutinho é redatora no Versus e sua mãe chama o League of Legends de Fogo no Rabo, porque uma vez viu a ultimate da Miss Fortune! Siga-a no Twitter.

Mais notícias
Vivo Keyd realiza sonho de fã de conhecer gaming house e jogar com pro players
Keyd

Vivo Keyd realiza sonho de fã de conhecer gaming house e jogar com pro players

Chiquinho conheceu o time do coração e ganhou presentes
Matheus Oliveira
Torneio de Smash Bros. usa cães de terapia para ajudar jogadores com ansiedade
Smash Bros

Torneio de Smash Bros. usa cães de terapia para ajudar jogadores com ansiedade

Os cachorros podem aliviar os players com problemas provenientes de derrotas
Helena Nogueira
Ninja manda mensagem de apoio a fã com paralisia cerebral e emociona a internet
Ninja

Ninja manda mensagem de apoio a fã com paralisia cerebral e emociona a internet

O impacto foi tanto que ajudou no tratamento do jovem
Helena Nogueira