CS:GO

Mulheres contam suas jornadas nos eSports e nos games em mini-doc

"Tem times que não treinam com mulheres porque acham que não vale a pena", conta pro player
@biaacoutinhoo
Beatriz Coutinho
escreve para o Versus.

O 1º episódio da 2ª temporada da Game Changers, série da Vivo sobre o cenário de jogos e eSports, é focado na participação feminina nesses dois mundos.

Em "As minas que mudaram o jogo", conhecemos Naná Fraga, jogadora profissional de Counter-Strike: Global Offensive da equipe Number Six. Ela começa contando como conheceu o jogo e afirma que "tem times que não treinam com mulheres porque acham que não vale a pena."

Ariane Parra também participa do vídeo e deixa bem clara a postura a ser tomada em relação ao preconceito: "Não dá pra gente ignorar isso e falar que tá tudo bem, porque não tá!"

Parra é a fundadora da Women Up Games, empresa que promove a inclusão feminina no mundo dos games por meio de eventos, palestras e realização de campeonatos.

A youtuber Míriam Castro, que fala sobre jogos e cultura geek, explica que é preciso entender que "tem mulheres trabalhando com isso também. Não é só uma visão masculina que existe."

Confira o vídeo:

Bia Coutinho é redatora no IGN Brasil. Siga-a no Twitter.

Tags Relacionadas
CS:GO
Mais notícias
Tudo sobre o Projeto A, novo FPS da Riot Games
League of Legends

Tudo sobre o Projeto A, novo FPS da Riot Games

Os mundos de CS:GO e Overwatch unidos da melhor forma possível
Matheus Oliveira
CS:GO: Skullz retorna à equipe titular da W7M Gaming
CS:GO

CS:GO: Skullz retorna à equipe titular da W7M Gaming

Jogador que foi emprestado a Luminosity retornou ao time de origem após o fim da line-up brasileira nos Estados Unidos
Matheus Oliveira
CS:GO: Lowkey Esports Brazil anuncia nova equipe com Spydaemon, demo e mais
CS:GO

CS:GO: Lowkey Esports Brazil anuncia nova equipe com Spydaemon, demo e mais

Line-up estava procurando uma nova organização há meses
Matheus Oliveira