Esports

Lowkey Esports deve mais de R$ 561 mil em salários e outros pagamentos atrasados, segundo site

Apuração do TheScore Esports mostrou que organização não paga jogadores e funcionários desde outubro de 2019
@helenavnogueira
Escrito por
Helena Nogueira

Foto: Lowkey Esports/Reprodução
Foto: Lowkey Esports/Reprodução

Como apontado por jogadores brasileiros na última terça-feira (7), a Lowkey Esports pode estar passando por problemas financeiros graves. Segundo apuração do TheScore Esports, a organização norte-americana deve mais de US$ 137 mil (o correspondente a aproximadamente R$ 561 mil) em salários atrasados e outros pagamentos. A redação do site teve acesso a contratos de funcionários e afirma a empresa não paga seus jogadores e funcionários desde outubro de 2019.

Leia mais:

O theScore Esports publicou um vídeo nesta sexta-feira (10) com sua apuração do caso, conduzida pelo repórter Colin McNeil, que conversou com diversos jogadores e ex-jogadores da organização e teve acesso a documentos que apontam para uma crise financeira séria na Lowkey.

De acordo com o site, nenhum dos entrevistados recebeu uma resposta exata sobre o que causou o rombo monetário que ocasionou o atraso dos salários. Uma das fontes, Myra Davies, responsável pela divisão canadense da Lowkey, afirma ter ouvido de 10 a 15 promessas da gerência da organização de que seria paga, mas não recebeu a quantia devida até o momento da entrevista. A empresária foi contratada em novembro de 2019, o que significa que ela não recebeu nenhum dinheiro em seu tempo representando a empresa.

Durante a apuração do caso, McNeil também conversou com Enzo "tander" Toledo, capitão do time brasileiro de Rocket League. O jogador conta que ele e sua equipe não receberam nenhum pagamento da Lowkey desde novembro de 2019. Além de salários atrasados, a organização também deve aos brasileiros o reembolso de gastos da viagem internacional para Madrid, na Espanha, em que o trio disputou a final da Championship Series Season 8 (RLCS) entre 13 e 15 de dezembro.

Além do fato de que todas as entrevistas apontam para um cenário de crise financeira da companhia, o repórter ainda afirma ter tido acesso aos contratos de duas fontes anônimas, ex-funcionários liberados pela Lowkey. Nos documentos, consta que o encerramento da contratação de ambas se deve à falência da organização de esports.

O theScore Esports tentou contato com os donos e executivos da empresa norte-americana e foi respondido por Tony Nguyen, sócio da divisão Lowkey Community. Segundo o empresário, "todos os funcionários e jogadores serão pagos em duas semanas", algo que, segundo ele, "foi comunicado a todos".

Confira a apuração completa do caso (em inglês) no vídeo abaixo:

Na última terça-feira (7), a Lowkey encerrou suas atividades no Brasil e liberou todas as suas três line-ups no país - de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO), Rainbow Six: Siege (R6) e Rocket League.

No Twitter, vários dos jogadores liberados, incluindo Matheus "demo" Yokomizo, do CS:GO, confirmaram que receberam a informação que a empresa encerrou suas atividades no Brasil. Segundo Danielle "Cherna" Andrade, da equipe de R6, ao informar as equipes sobre o desligamento, a Lowkey alegou "problemas financeiros".

Apesar da maioria das sedes regionais da Lowkey terem sido fechadas, incluindo a localizada no Brasil, três ainda permanecem abertas: Filipinas, Vietnam e Sri Lanka.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Mais notícias
Nyvi Estephan se torna embaixadora do Esports Awards na América Latina
Esports

Nyvi Estephan se torna embaixadora do Esports Awards na América Latina

Apresentadora concorreu ao prêmio em 2019
Beatriz Coutinho
Live beneficente com Gaules, Nyvi, Wendell Lira e mais acontece neste sábado (23)
Esports

Live beneficente com Gaules, Nyvi, Wendell Lira e mais acontece neste sábado (23)

Transmissão reunirá celebridades da Rede Globo e reverterá fundos para a Casa do Zezinho
Helena Nogueira
Gaules, Nobru e mais participarão de ação do Greenpeace para preservar a Amazônia
Esports

Gaules, Nobru e mais participarão de ação do Greenpeace para preservar a Amazônia

Fallen, Baiano, The Darkness e Takeshi também fazem parte do projeto
Beatriz Coutinho