League of Legends

LoL: "Serei o melhor AD Carry", diz WhiteLotus sobre vinda ao Brasil e entrada na INTZ

Jogador argentino se juntará aos intrépidos para o CBLoL 2019
@bahgutierrez
Barbara Gutierrez
escreve para o Versus.
Foto: INTZ/Reprodução
Foto: INTZ/Reprodução

Matías "WhiteLotus" Musso é considerado, por muitos, um dos melhores carregadores da América Latina em League of Legends. Recentemente, o argentino foi anunciado como reforço da INTZ e-Sports Club e o Versus conversou com o pro player para saber mais a respeito da contratação e expectativas.

Leia mais:

WhiteLotus é uma figura experiente no cenário latino-americano de LoL, pois joga competitivamente desde 2014. Porém, foi em 2015 que ele ganhou destaquecomo jogador da Kaos Latin Gamers, ano em que venceu a Copa Latinoamérica (LAS) e a Latin America Closing Cup.

Além disso, o pro player brilhou durante o All-Star 2015 com seu Vayne, alcançou as semifinais no 1x1. Depois disso, ele se tornou uma das principais referências de atiradores do cenário da América Latina.

Mesmo com o reconhecimento geral de suas habilidades, tanto por parte de analistas quanto da comunidade, o jogador argentino nunca disputou o Mundial de League of Legends. Mesmo assim, ele chegou perto de conquistar vaga em 2015, quando perdeu a vaga do WildCard para a paiN Gaing, e em 2016, em que foi derrotado pela Albus NoX Luna em uma série acirrada.

Em relação ao cenário brasileiro, rumores através dos anos apontavam que equipes consideravam contratar WhiteLotus como atirador. Porém, nada foi concretizado - mas isto mudou com o anuncio da INTZ.

"Sempre que vim ao Brasil houveram muitas expectativas sobre mim", conta o argentino. "Eu quero fazer as coisas bem e dar meu máximo para ser o melhor ADC no Brasil, este é o meu objetivo. Sinto que tive bons resultados tanto na Copa Latinoamérica Norte [LAN] quanto na LAS e também gostaria de fazer o mesmo aqui, neste servidor. O nível dos ADCs brasileiros é um pouco mais alto do que no restante da América Latina, mas, como disse, sinto que se eu chegar ao meu nível máximo, serei o melhor ADC."

O pro player ainda revelou que recebeu propostas neste ano de equipes do Circuito Desafiante e, em relação ao CBLoL, as duas principais foram INTZ e Uppercut (ex-IDM Gaming).

"A princípio, a IDM me abordou primeiro e conversamos. Porém, depois veio a INTZ e eles me propuseram ficar na gaming house por uma ou duas semanas para sentir o dia-a-dia e convivência na casa. Quando cheguei, fiquei muito feliz com a estrutura que eles oferecem, é algo que nenhuma equipe latino-americana possui. Assim, senti que a INTZ é uma equipe vencedora e, apesar de ultimamente não ter ido muito bem, já é muito conhecida. Decidi bem rápido que queria ficar e, então, depois de alguns dias, falamos sobre o contrato."

Durante as semanas que acompanhou os treinos dos intrépidos, WhiteLotus conta que sentiu dificuldades em se comunicar com a equipe, mas diz que pretende contornar o problema: "Vi que tive um pouco de dificuldade para me relacionar e me comunicar dentro do jogo por conta da barreira linguística, mas meu objetivo é aprender português assim que possível. Não apenas para me sair melhor na comunicação dentro de jogo, mas também para o dia-a-dia, uma convivência melhor."

A oficialização do argentino pela INTZ é mais uma dentre uma série de contratações de talentos internacionais por parte de equipes brasileiras de LoL para 2019. Nesta quinta-feira (13), por exemplo, a Uppercut anunciou a dupla de portugueses João "AlternativeX" Parada e Antônio "LeChase" Ramalho como novos reforços para seu time.

Quando perguntado pelo Versus sobre a vinda de pro players estrangeiros, WhiteLotus disse que acredita que estes irão fortalecer o competitivo nacional: "Há um ou dois anos, existia uma grande diferença entre o CBLoL e o resto da América Latina. Creio que agora tudo está mais parelho; mas o cenário brasileiro ainda é mais competitivo e conta com a melhor estrutura da região latino-americana. Quando não há talentos locais, é muito bom poder procurar outros jogadores com mais motivação, outros costumes e estilos de jogo… Então acredito que a vinda de pro players estrangeiros é positiva para o Brasil."

Por fim, o pro player explicou o que espera para o ano de 2019. "O ano passado não foi bom para mim individualmente, mas agora quero conquistar o Brasil e fazer com que a INTZ volte ao que era antes - ganhando tudo e participando dos eventos internacionais. Esse é meu objetivo neste ano [2019]: dar 100% do meu individual e tentar que a minha equipe chegue ao MSI e Mundial. Gostaria de agradecer, porque os brasileiros têm me dado muito apoio."

Atualmente, a INTZ disputa os playoffs da segunda temporada da SuperLiga ABCDE. WhiteLotus fará sua estreia com a camisa intrépida no CBLoL de 2019.



Bárbara Gutierrez é editora-chefe, Lucas Takashi é redator e Helena Nogueira é repórter do Versus. Siga-os no Twitter em @bahgutierrez, @iugahTK e @helenavnogueira.

Tags Relacionadas
League of Legends
Mais notícias
Review: Wild Rift é a experiência perfeita do LoL para mobile
Wild Rift

Review: Wild Rift é a experiência perfeita do LoL para mobile

O pré-registro do game já está disponível na Google Play Store
Matheus Oliveira
Wild Rift: Como fazer o pré-registro de League of Legends Mobile
Wild Rift

Wild Rift: Como fazer o pré-registro de League of Legends Mobile

Garanta o seu acesso para quando os testes beta começam
Matheus Oliveira
LoL: Riot Games terá produtos em parceria com Riachuelo, Piticas e Panini na CCXP
League of Legends

LoL: Riot Games terá produtos em parceria com Riachuelo, Piticas e Panini na CCXP

Editora galera publicará livro Reinos de Runeterra e Tilibra produzirá cadernos do MOBA
Helena Nogueira