League of Legends

LoL: Flamengo negocia licenciamento para o CBLoL 2020; Team One está na jogada

Organização dos golden boys faria o gerenciamento da equipe por meio de uma holding
@luccabucks
Escrito por
Matheus de Lucca
Foto: Riot Games/Reprodução
Foto: Riot Games/Reprodução

O Flamengo contará com uma nova equipe de gestão e algumas mudanças na line-up para a temporada 2020 do Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL). Fontes próximas ao Versus informaram que a Team One e uma outra organização estão na disputa para fechar um contrato de licenciamento da marca do rubro-negro nos esports.

Leia mais

A Go4it, então responsável pela gestão da equipe de esports do Flamengo, anunciou nesta terça-feira (22) que deixará de cuidar do clube. A empresa alega que "um dos pontos que contribuiu para a decisão foi o fato da Go4it Capital, empresa de investimentos do Grupo, atuar como investidora global da G2, maior franquia de esportes eletrônicos da Europa (atual campeã internacional de League of Legends) o que impede a empresa de ser a licenciadora ou dona do time de eSports do Flamengo, conforme regras estabelecidas pela Riot Games". Mas a desvinculação entre as partes já é cogitada há tempos, segundo informações obtidas pela reportagem.

De um lado, o clube carioca quer cortar o investimento em League of Legends. Do outro, a gestora não quer mais arcar com grandes burocracias exigidas para lidar com o rubro-negro, uma vez que julga estar suficientemente bem posicionada no esporte eletrônico com outras iniciativas.

Estas burocracias envolvendo o Flamengo giram principalmente em torno de contratos de trabalho. Os jogadores da equipe de LoL são registrados como atletas da equipe de base do clube e 40% do salário deles é concedido por meio da carteira de trabalho. Rendimentos de direitos de imagem, patrocínios e mídia - que compõem os outros 60% - devem ser recebidos por meio de MEI, então há a necessidade de abrir micro empresa para todos os jogadores. No caso de estrangeiros, que possuem um contrato diferente, o atleta chega primeiro como turista, para depois conseguir a liberação de trabalho, para então conseguir emitir CPF e carteira de trabalho para o registro como CLT.

Um exemplo dos entraves gerados pela burocracia contratual é o sul-coreano Park "Jisu" Jin-cheol, que chegou a cancelar sua participação em treinos do Flamengo por atraso salarial, causado por dificuldade em sua regularização como atleta no Brasil.

Foto: Riot Games/Reprodução
Foto: Riot Games/Reprodução

A diretoria do Flamengo queria acabar com a participação na modalidade por achar que não vale a pena o esforço. No entanto, conforme informações obtidas pela reportagem, filhos dos consultores e de membros da administração do rubro-negro convenceram o clube a manter a iniciativa, pois fizeram os dirigentes entenderem que seria um problema maior deixar o LoL do que mantê-lo, em termos de mídia e reação dos fãs. Como a Go4it deixará a gestão do time, a solução encontrada foi licenciar a marca.

Duas empresas estão na disputa pelo licenciamento do Flamengo nos esports e uma delas é a Team One - mas não é o time da Team One que cuidaria da equipe rubro-negra, e sim uma holding composta pela organização dos golden boys e uma companhia internacional. Em outras palavras, um grupo de empresários.

O que o clube de futebol busca para fechar a proposta é uma forte estrutura administrativa e conhecimento para manter o time funcionando dentro do CBLoL pelo tempo de contrato, que seria de dois anos. Este tempo de contrato se deve ao fato de que haverá uma nova eleição de diretoria no Flamengo e é possível que novos dirigentes não deem continuidade ao projeto de esports.

Caso esse licenciamento seja acertado, o Flamengo receberia um valor mínimo garantido por ano que não passaria de R$ 1 milhão, segundo fontes do Versus, e ainda uma porcentagem não maior que 10% do faturamento bruto total, o que inclui qualquer lucro. Dessa forma, o rubro-negro forneceria apenas a marca, enquanto a equipe de gestão cuidaria de todo o restante: busca de investimento externo, contratação de jogadores e comissão técnica, desenvolvimento de estratégias de marketing, criação de design etc, tudo por conta própria, sem intervenção do clube.

Quanto aos jogadores do Flamengo, alguns estão de saída. O atirador Felipe "brTT" Gonçalves quer se aposentar, mas é cotado pela paiN Gaming e pela RED Canids. O suporte Han "Luci" Chang-hoon já deu adeus à organização. Não há informações sobre o restante da line-up.

Esta medida de licenciamento do Flamengo deve ser resolvida antes da abertura da janela de transferências de jogadores do CBLoL, que começa em 11 de novembro e vai até 9 de dezembro.

Em resposta à reportagem do Versus, a Team One diz não ter nada a declarar e o Flamengo não quis se manifestar.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Mais notícias
Mundial de LoL: Nicks e elos dos jogadores da INTZ nas ranqueadas chinesas
League of Legends

Mundial de LoL: Nicks e elos dos jogadores da INTZ nas ranqueadas chinesas

Intrépidos disputarão o Worlds 2020 de League of Legends
Beatriz Coutinho
Guia Mundial de LoL 2020: Times, agenda, transmissão e mais
League of Legends

Guia Mundial de LoL 2020: Times, agenda, transmissão e mais

INTZ será a representante brasileira na Fase de Entrada do Worlds 2020
Beatriz Coutinho
LoL: Final do Mundial 2020 pode ter pequena audiência presencial
League of Legends

LoL: Final do Mundial 2020 pode ter pequena audiência presencial

Possibilidade dependerá da situação da pandemia durante a final do torneio
Beatriz Coutinho