LoL: 5 pro players que inovaram o meta competitivo

Pro player icônicos que mudaram o jeito do mundo inteiro jogar!
Imagem: Montagem/Lucas Takashi
Imagem: Montagem/Lucas Takashi

O cenário competitivo de qualquer esport é definido pelo seu meta competitivo (tendência de escolha de campeões de acordo com o patch), e em League of Legends não é diferente, visto que o game se desenvolveu com o lançamento de novos itens e campeões desde 2011. Por conta disso, o Versus decidiu relembrar os cinco pro players que mais inovaram nos últimos anos e mudaram o jeito dos jogadores do mundo todo jogar.

Leia mais:

Evgeny "Genja" Andryushin

Em 2013, Genja era atirador da Gambit e realizou uma escolha muito diferente de todos os outros pro players da época justamente no Worlds 2013: Kog'maw com Força da Trindade.

Na época os atiradores que dominavam as escolhas eram Corki e Caitlyn, porém Genja trouxe essa opção estudada e forte contra ambos os campeões, oferecendo uma troca com mais dano e em um pico de força mais cedo no jogo.

A escolha peculiar era contestada por muitos no começo, mas um pentakill durante o mundial foi o suficiente para colocar medo nos seus rivais, forçando banimentos posteriormente.

Infelizmente essa build não é mais utilizada por causa da Lâmina da Fúria de Guinsoo, que trouxe uma outra dinâmica ao campeão.

Wang "Stanley" June-Tsan

O primeiro mundial de LoL em que todas as regiões do mundo participaram foi em 2012 e foi justamente nessa edição que a Taipei Assassins brilhou, uma equipe ímpar de Taiwan que apareceu com jogadores muito a frente de seu tempo, com leituras estratégicas novas para a época.

Stanley é um ótimo exemplo do grande diferencial do time, surpreendendo com sua Nidalee na rota do topo. Nessa época a campeã era escolhida majoritariamente no meio, pois sua habilidade Q - Arremessar Lança era capaz de causar mais de dois mil de dano no alcance máximo.

Mas a inovação veio em sua análise. Naquela época, a habilidade ultimate Aspecto de Puma oferecia um bônus de armadura e resistência mágica, além da passiva existente até hoje de velocidade de movimento no mato. Junto com isso, o "Q" tinha um dano considerável mesmo sem os modificadores de dano mágico, o que fez Stanley optar por uma build de lutador (bruiser) para ter mais resistência na troca de dano e usar a mobilidade para fugir durante um splitpush (dividir o time no mapa para quebrar torres).

Chang "BeBe" Bo-Wei

Mais um nome de Taiwan e também da Taipei Assassins, mas dessa vez é o atirador BeBe. Assim como seu companheiro de equipe, ele criou um meta que ficou famoso pelo mundo todo e que é referência até os tempos atuais.

Se você é um jogador de Ezreal, certamente conhece a build padrão do campeão, que precisa de Muramana e Manopla dos Glacinatas, mas o que muitos não sabem é que essa combinação era chamada de "BBB - BeBe Blue Build".

A Blue Build original foi criada pelo jogador em 2013 e tinha um item da selva chamado Espírito do Lagarto Ancião, que era feito após a Lágrima da Deusa e Manopla Congelada para dar um pico de força cedo ao campeão. Algumas adaptações da build foram feitas com Espada do Rei Destruído, Força da Trindade e Abraço de Seraph ao longo dos anos, mas a ideia principal ainda é a melhor escolha para o campeão até o momento.

Yiliang "Doublelift" Peng

Doublelift é um dos jogadores mais antigos do cenário competitivo de LoL, atuando desde 2011. Ele sempre foi famoso por ser um exímio atirador, conseguido muitas vezes vencer sozinho se recebesse os recursos da equipe.

Por conta disso, ele foi importante durante a CLG na North America LCS, em que criaram a tática “Protect the Doublelift” (Proteja o Doublelift, em tradução literal do inglês). Basicamente a composição do time era montada ao redor do atirador, protegendo e fornecendo buffs de dano enquanto ele eliminava todos.

Essa composição aparece de tempos em tempos, principalmente quando os tanques estão fortes e atiradores anti-tanques (Vayne, Kog’maw e Varus) voltam a aparecer no meta.

É importante ressaltar que Doublelift não utilizou mais essa estratégia nas equipes em que atuou, já que um dos momentos em que ele precisou se renovar como atirador foi justamente para repensar seu estilo de jogo. 

Kang "GorillA" Beom-hyeon

No Worlds 2016, GorillA atuava pela ROX Tigers e fez uma escolha que se tornou rapidamente popular pela eficiência: Miss Fortune suporte. Realizada pela primeira vez na semifinal contra a SKT, a campeã foi motivo de caos na rota inferior em todos os servidores, criando um domínio que superou os principais suportes do meta.

Posteriormente a campeã se tornou obsoleta, pois a Riot Games precisou aplicar atualizações que enfraqueceram bastante as habilidades híbridas (com dano mágico e físico) de Miss Fortune por causa da escolha de GorillA, deixando a pirata exclusivamente na função de atiradora.

Bônus: Pedro "Matsu" Gama

Matsu entrou no cenário brasileiro de LoL em 2015, quando ainda era conhecido como Matsukaze, e trouxe uma característica de suas filas ranqueadas para o competitivo, escolhendo Yasuo na rota inferior junto com o suporte Martin "Espeon" Gonçalves.

A habilidade de Matsu era tanta que ele foi capaz de escolher Yasuo em um jogo decisivo contra a paiN Gaming e ainda sair vitorioso, mesmo com os diversos pontos fracos do campeão como sua falta de alcance e uma build com o preço elevado na época, deixando o pico de força do campeão muito dependente de jogar bem no início do game.

Em tempos recentes, Matsu joga na paiN Gaming no Circuito Desafiante e ainda utiliza campeões diferentes na rota inferior.

Acompanhe os torneios da temporada competitiva 2019 de League of Legends com o Campeonato Brasileiro de LoL e Circuito Desafiante. Vale olhar esses dois campeonatos por conta do meta atual, que está bem amplo e traz uma grande variedade de campeões em rotas inusitadas, como Galio, Viktor e Cassiopeia atuando como escolhas flex em muitas funções.



Lucas Takashi é redator do Versus. Siga-o no Twitter em @IugahTK.

Tags Relacionadas
League of Legends