Just Dance

Just Dance: Campeão brasileiro pede mais torneios para dar chance a novos talentos

Em 2019, jogo de dança contou apenas com quatro etapas do M.A.C. Challenge no Brasil
@helenavnogueira
Escrito por
Helena Nogueira

Foto: Felipe Guerra/Ubisoft
Foto: Felipe Guerra/Ubisoft

Tiago Silva de Oliveira se consagrou campeão brasileiro do Just Dance (JD) M.A.C. Challenge no último mês de dezembro. Com o triunfo, ele dará início ao ano de 2020 com o pé direito, sendo um dos participantes da decisão latino-americana do circuito, que acontece no Brasil em março. Mesmo assim, o pro player espera que este não seja seu único compromisso, visto que espera que o cenário nacional do jogo de dança da Ubisoft passe por uma expansão.

Em entrevista ao Versus durante a decisão regional na CCXP 2019, o pro player relembrou sua carreira e pediu por mais torneios de Just Dance no Brasil, para que “mais talentos tenham a chance” de se destacar. Também no evento, a gerente de parcerias estratégicas e eventos na Ubisoft, Bruna Soares, revelou que os jogadores podem esperar por mais eventos do game para a próxima temporada competitiva.

Leia mais:

Tiago tem 22 anos e é natural de Brasília (DF). Formado em Publicidade, o jogador começou sua carreira profissional no Just Dance em 2016, quando ainda não tinha um videogame em casa: “Naquela época, tudo o que sabia do jogo era por meio de vídeos. Era assim que eu aprendia as coreografias. Mesmo assim, um dia vi que teria um torneio de Just Dance e falei ‘ah, vou tentar’. A premiação era ganhar um console, mas não consegui, pois fiquei em 2º lugar.”

Mesmo com os treinos comprometidos por não possuir o jogo, Tiago insistiu em seu sonho e ascendeu no competitivo. Em 2017, ele foi campeão brasileiro e, com isto, disputou a final da Copa do Mundo de 2018 em Paris, na França. O pro player foi eliminado antes das quartas de final, mas voltou para casa com a vontade de um dia conquistar o título mundial.

Segundo Tiago, porém, a tarefa se tornou mais árdua nos últimos anos, em que as oportunidades de conseguir entrar e se destacar no cenário diminuíram.

“Estão rolando menos campeonatos. Não sei se foi por causa de verba, mas tivemos menos etapas regionais. Em 2017, por exemplo, foram 10 etapas, enquanto em 2019 foram só quatro. Ou seja, só tivemos quatro finalistas masculinos e quatro femininos. Tem muita gente boa no Brasil, então seria bom que isso fosse expandido para mais talentos terem a chance. Tem muita gente que não conseguiu comparecer às etapas, e isso é complicado.”

Foto: Felipe Guerra/Ubisoft
Foto: Felipe Guerra/Ubisoft

Na CCXP 2019, o Versus também conversou com Bruna Soares, gerente de parcerias estratégicas e eventos na Ubisoft. Em relação ao incentivo regional ao competitivo de Just Dance, a empresária revelou que ainda não pode detalhar os planos da empresa para 2020, mas destacou a importância dos eventos realizados no Brasil em 2019.

“Começamos muito bem o ano porque em março aconteceu a final da Just Dance World Cup em São Paulo (SP). [O Mundial] Sempre foi realizado em Paris, mas pela força da comunidade, pelo envolvimento e pela representação dos brasileiros no competitivo, conseguimos trazer o torneio para cá depois de anos lutando por isso. Depois disso, tivemos um gap no calendário do Mundial 2020, e por isso optamos por fazer um campeonato próprio para região latino-americana, que é o M.A.C. Challenge, para seis países: Colômbia, Peru, Argentina, Chile, Brasil e México. Cada um desses países teve a sua etapa regional e o circuito vai ser encerrado em março de 2020 com a final em São Paulo (SP).”

No último mês de dezembro, a gerente já havia falado ao Versus que o M.A.C. Challenge, o primeiro torneio LATAM do jogo de dança fora de seu circuito oficial, foi criado para atender à demanda da comunidade.

Na opinião de Tiago, o Brasil é casa não apenas de alguns dos melhores jogadores pro players de JD, como do competitivo mais unido do mundo: “Como o Brasil tem uma das maiores comunidades de Just Dance, é a região mais competitiva. Nossa final nacional costuma ser mais difícil do que o Mundial e, por isso, os brasileiros que vão para a final da Copa são sempre muito bons - tanto em questão de performance quanto de pontuação".

“Assim é o Just Dance: a comunidade é muito próxima. A gente sempre se reúne para ir junto nos eventos. Ajudamos uns aos outros na competição, falando ‘faz esse passo assim’. O que mais se destaca para mim desses eventos é a amizade e a união que temos.”

Bruna também comentou o sucesso do jogo no país e fez uma prévia do que os fãs podem esperar do game para 2020: “O Just Dance é extremamente popular, e é por isso que conseguimos fazer grandes parcerias. O jogo mudou bastante: foi lançado para o Stadia e para celulares, então você não precisa ter um console para jogar. O que pode se esperar para 2020 são ainda mais eventos para fomentar a popularidade do título e, como ele tem o serviço Unlimited, a gente não precisa esperar para - quem sabe - ter músicas brasileiras ou influencers nacionais brasileiros no jogo".

A grande final do Just Dance M.A.C. Challenge acontece no mês de março em São Paulo (SP) e ainda não possui data ou local definidos. A decisão contará com representantes de seis países latino-americanos nas modalidades feminina e masculina.

Quer conhecer mais da história de Tarcísio, um dos brasileiros que se destacaram no último mundial de Just Dance? Veja o vídeo acima.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tags Relacionadas
Just Dance
Mais notícias
Just Dance: Final do M.A.C. Challenge é adiada por causa do coronavírus
Just Dance

Just Dance: Final do M.A.C. Challenge é adiada por causa do coronavírus

Evento aconteceria entre 20 e 21 de março em São Paulo (SP)
Helena Nogueira
Rainbow Six e Just Dance 2020 estão em promoção na Microsoft Store
Rainbow Six Siege

Rainbow Six e Just Dance 2020 estão em promoção na Microsoft Store

Corra para aproveitar pois é por tempo limitado!
Jairo Junior
Just Dance: “É emocionante ver meninas jogando entre si”, comenta Aynne sobre M.A.C. Challenge
Just Dance

Just Dance: “É emocionante ver meninas jogando entre si”, comenta Aynne sobre M.A.C. Challenge

Torneio latino-americano foi o primeiro a adotar a separação de modalidade feminina e masculina
Helena Nogueira