Jogo de futebol é interrompido por protestos contra esports na Suíça

O clube adversário, Basel, possui contratos com pro players de FIFA
Imagem: Reprodução/Facebook

[Atualizado às 15h do dia 24/09 - Inserção do motivo pelo qual a torcida organizada do time Young Boys se manifestou, que pode ser encontrado abaixo.]


No último domingo (23), uma partida do Campeonato Suíço de futebol entre os times Basel e Young Boys foi interrompida após a torcida organizada deste último iniciar um protesto contra os esports. 

Atirando objetos no gramado, os torcedores  manifestaram-se contra a possibilidade da Liga Suíça de Futebol criar um campeonato paralelo de esportes eletrônicos, que seria obrigatório para todos os clubes do campeonato suíço.

Leia mais:

Por volta dos 20 minutos do 1º tempo do jogo, a Ostkurve Bern, torcida organizada da equipe Young Boys, começou a jogar bolas de tênis e controles de videogame no campo. Além disso, os fãs também estenderam uma faixa com os dizeres "F***-se os E-sports!".

No site oficial dos torcedores, há uma postagem falando sobre o ocorrido.

"Há vários meses, o tema dos esports tem sido repetidamente discutido na mídia e nos estádios. Agora, em março de 2019, a Liga Suíça de Futebol deve começar sua própria liga. Isso não tem absolutamente nada a ver com nosso esporte e valores do nosso clube.

(...) Um clube esportivo deve encorajar as pessoas a se exercitarem mais. O futebol é um esporte de equipe e não individual.

(...) Temos que lutar para manter nosso esporte como ele é! Na sociedade de hoje, as crianças se acostumam a ficar em casa, em frente aos consoles, ao invés de praticar esportes com os amigos. Em um clube esportivo, valores importantes como confiabilidade, pontualidade e principalmente amizade são transmitidos para crianças e adolescentes. Estes são valores que não estão nos esports. E isso é pelo lucro? Não com a gente!"

Em resposta ao site Nau.ch, a Liga Suíça de Futebol afirmou que o projeto de esports existe, mas funcionará de uma maneira diferente e que a proposta sequer possui uma licença. Mais informações serão divulgadas em breve, mas por enquanto não há nenhuma certeza da competição obrigar os clubes a investir no cenário de esports.

Imagem: eSporTV

Enquanto a torcida dos Young Boys é contra o investimento do clube nos esports, o adversário Basel possui contratos com Luca "LuBo", Florian "CodyDerFinisher" e Tim "TheStrxnger", ambos pro players de FIFA.

Esta não é a primeira vez que pessoas ligadas aos esportes tradicionais se mostram contra as modalidades eletrônicas.

Mesmo depois dos torneios com várias categorias dos esports nos Jogos de Asiáticos de 2018, Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), afirmou que os games demonstrados na ocasião -  League of Legends, Arena of Valor, Clash Royale, Hearthstone, Pro Evolution Soccer e StarCraft II - não se adequam aos valores olímpicos. 

O presidente do COI chegou a dizer que não é possível "ter no programa olímpico um jogo que promove a violência ou discriminação".

Montagem: Bia Coutinho

Em julho deste ano, durante o torneio mundial de PlayerUnknown's Battlegrounds, Brendan Greene, criador do jogo, afirmou que os esportes eletrônicos não precisam dos jogos olímpicos e até mesmo cogitou a criação de uma "olimpíada dos esports".

No mesmo mês, Nate Nanzer, comissário da Overwatch League, comentou sobre a adesão dos esports nas Olimpíadas, dizendo que "é muito cedo para estas conversas. [A estrutura dos eSports] é muito diferente, requer servidores e conexão de internet, coisa que os esportes tradicionais não precisam. (...) Será uma conversa longa e um processo que vai demandar tempo”.

Publicada em 2017, uma pesquisa realizada pela Universidade de Iorque, no Reino Unido, afirmou que habilidades nos jogos têm grande relação com inteligência e, além de atuarem contra depressão, os games também não estão ligados à violência.

Em 2018, o mercado dos esportes eletrônicos deverá lucrar cerca de US$ 1 bilhão. Se você tem vontade de trabalhar com esports, mas não como um pro player ou um técnico, confira o Guia de Profissões dos esports do Versus.


Bia Coutinho é redatora no Versus. Siga-a no Twitter em @biaacoutinhoo.

Tags Relacionadas
eSportsFIFA