CS:GO

Hackers de Apex Legends e CS:GO têm dados pessoais roubados

O malware continua sendo utilizado na internet
@biaacoutinhoo
Escrito por
Beatriz Coutinho
Foto: Valve/Reprodução
Foto: Valve/Reprodução

Hackers que utilizam programas de trapaça em jogos como Counter-Strike: Global Offensive e Apex Legends tiveram seus dados pessoais roubados por um malware.

Leia mais:

Baldr é um malware, software desenvolvido com o objetivo de danificar ou incapacitar computadores e sistemas. O malware estava inserido no código do programa utilizado para trapacear em videogames.

De acordo com um relatório produzido pela Sophos, desenvolvedora e fornecedora de software e de hardware de segurança, o Baldr podia ser encontrado em cheats como "CSGO Aimbot+Wallhack" e "Apex Legends New Cheat 0.2.1".

Segundo a Sophos, o malware rouba dados financeiros, credenciais de plataformas de games e logins e senhas de serviços de compra como Amazon e Paypal.

Em entrevista ao Kotaku, Albert Zsigovits, pesquisador de ameças da Sophos, afirmou que continua rastreando o malware e que a maior parte dos casos que envolvem o Baldr aconteceram em países como Brasil, Rússia, Estados Unidos e Indonésia. Embora o pico do malware tenha acontecido em maio, ele continua sendo utilizado na internet para roubar dados.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tags Relacionadas
CS:GOApex Legends
Mais notícias
CS:GO: FURIA garante vaga nos playoffs da DreamHack Open Summer NA 2020
CS:GO

CS:GO: FURIA garante vaga nos playoffs da DreamHack Open Summer NA 2020

Brasileiros da Team oNe ainda têm chances de chegar às semifinais também
Beatriz Coutinho
CS:GO: 3ª temporada do CLUTCH terá premiação de R$ 600 mil e novo formato
CS:GO

CS:GO: 3ª temporada do CLUTCH terá premiação de R$ 600 mil e novo formato

Torneio começa em 17 de agosto
Beatriz Coutinho
CS:GO: Menino de 8 anos cria "Jogo do Gau" com Gaules como protagonista
CS:GO

CS:GO: Menino de 8 anos cria "Jogo do Gau" com Gaules como protagonista

Saiba como apoiar o projeto
Matheus Oliveira