Blizzard

Ex-funcionário da Blizzard denuncia racismo em ambiente de trabalho e empresa responde acusação

O Versus contatou a desenvolvedora sobre o assunto
@helenavnogueira
Helena Nogueira
escreve para o Versus.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Nesta quarta-feira (9), Jules Murillo-Cueller, ex-funcionário da Blizzard, veio a público afirmando ter sido vítima de racimo e discriminação enquanto trabalhava na divisão de esports de Hearthstone. O Versus entrou em contato com a desenvolvedora, que rebateu que "existem diversas opções para nossos funcionários levantarem este tipo de questão".

Leia mais:

Segundo Julles, que iniciou sua trajetória na empresa em 2013, os episódios de discriminação passaram a acontecer a partir de 2016, quando foi realocado para trabalhar com os esports do jogo de cartas.

Foi na divisão que uma colega de trabalho passou a caçoá-lo, atribuindo a sua origem mexicana a uma "inclinação natural" para ser machista. Além disso, o ex-funcionário declarou que foi excluído de reuniões importantes de sua própria equipe.

"Eu escrevo isto hoje porque o anuncio sobre o Soldado 76 e os tuítes subsequentes que fiz me acionaram", diz a denúncia de Julles. "O motivo porquê isto me acionou não foi a mensagem, mas de quem ela veio: Blizzard Entertainment. A ideia de inclusão, representação, e "todas as vozes importam" e "pense globalmente" nunca significaram estas coisas para mim e outras pessoas de cor [sic] com quem conversei. Porque recentemente - nos últimos dois anos - a comunidade contou com mais representação e iniciativas. Porém, estamos mesmo sendo representados?"

Ao Versus, a Blizzard apontou que seus colaboradores dispõem de múltiplas vias para denunciar comportamentos indevidos dentro da empresa, e defendeu que delações desta natureza "são investigadas e ações são tomadas quando necessário".

Confira o posicionamento da empresa na íntegra:

"Apesar de não comentarmos situações pessoais individuais, podemos afirmar que um ambiente de trabalho inclusivo e respeitoso é extremamente importante para nós. Nós possuímos uma política específica contra assédio e discriminação e todas as denúncias de comportamento indevido são tratadas de forma muito séria.

Existem diversas opções para nossos funcionários levantarem este tipo de questão caso eles tenham alguma experiência ou observem comportamentos indevidos. Todas as alegações de assédio e discriminação que são trazidas até nós são investigadas e ações são tomadas quando necessário. Nós nos dedicamos muito para criar um ambiente de trabalho que seja inclusivo e respeitoso refletindo os valores da Blizzard em tudo aquilo que fazemos.

A saúde da nossa equipe e de nosso ambiente de trabalho também é algo muito importante para nós e oferecemos diversos programas e oportunidades para apoiar nossos funcionários neste sentido, incluindo diversos programas de saúde e bem-estar e serviço aconselhamento, tanto em nossas próprias instalações (muitas vezes sem qualquer custo) quanto por meio de profissionais externos.”


Helena Nogueira é repórter no Versus. Siga-a em @helenavnogueira.

Mais notícias
Copa do Mundo de Overwatch acontece em novembro com finais na Blizzcon
Overwatch

Copa do Mundo de Overwatch acontece em novembro com finais na Blizzcon

Com qualificatórias presenciais em Anaheim, nos EUA
Matheus Oliveira