Esports

Estudo aponta que vício em games não está relacionado a jogos eletrônicos

Universidades britânicas não identificaram ligação oficializada pela OMS
@helenavnogueira
Escrito por
Helena Nogueira
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Em maio de 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) oficializou o vício em games como um problema de saúde mental - porém, uma pesquisa divulgada pelas Universidades de Oxford e Cardiff na sexta-feira (18) contradiz esta decisão. Segundo os pesquisadores responsáveis pelo estudo acadêmico, não há relação entre a condição e o ato de jogar videogame.

Leia mais

Com o título "Investigating the Motivational and Psychosocial Dynamics of Dysregulated Gaming: Evidence From a Preregistered Cohort Study" ("Investigando a dinâmica motivacional e psicosocial de jogar desreguladamente: evidência de um estudo de coorte pré-registrado", em tradução livre para o português), a pesquisa foi realizada como resposta à classificação concedida pela OMS.

O estudo, que analisou dados de cerca de mil adolescentes e seus responsáveis, sugere que aqueles que possuem o vício em games possuem frustrações e questões psicológicas que não estão relacionadas aos jogos eletrônicos, o que pode levá-los a jogar demais.

Um dos autores do estudo, o professor Andrew Przybylski, explicou como os videogames não se relacionam diretamente com o problema de saúde mental. Segundo o pesquisador, a classificação oficializada pela OMS é incorreta.


“Nossas descobertas não forneceram evidências que sugerem um relacionamento prejudicial com videogames que seja responsável por problemas substanciais emocionais, de convivência e de comportamento. Ao contrário, é mais provável que variações de experiências com games estejam ligadas a se necessidades psicológicas básicas de adolescentes para competência, autonomia e pertencimento são realizadas e se os jovens possuem problemas funcionais maiores. Em vista das nossas descobertas, não acreditamos que existem provas suficientes para garantir a conclusão de que o ato de jogar é um distúrbio clínico de fato."

Mesmo com as conclusões, a doutora Netta Weinstein, co-autora da pesquisa, ressalta que mais estudos precisam ser realizados sobre a questão: "Nós estimulamos que profissionais da saúde atentem para os fatores mais profundos da questão como as satisfações psicológicas e frustrações diárias para compreender como uma minoria de jogadores sente que precisa jogar de forma obsessiva."

Em maio, a OMS divulgou atualizações da 11ª Classificação Internacional de Doenças, em que o ato de jogar videogame excessivamente foi definido como distúrbio, sendo considerado um problema de saúde mental passível a diagnóstico e tratamento a partir da publicação do documento em 2022. Na época, desenvolvedoras de jogos e profissionais dos esports se manifestaram contra a decisão.

Helena Nogueira é repórter no Versus. Siga-a em @helenavnogueira.

Tags Relacionadas
Esports
Mais notícias
Projeto de lei sul-coreano pode adiar serviço militar obrigatório para pro players
Esports

Projeto de lei sul-coreano pode adiar serviço militar obrigatório para pro players

Faker e outros pro players podem ser beneficiados por esta medida
Beatriz Coutinho
Renan Bolsonaro conversa com secretário da Cultura sobre "e-games"
Esports

Renan Bolsonaro conversa com secretário da Cultura sobre "e-games"

Reunião não estava prevista na agenda oficial de Mario Frias
Beatriz Coutinho
Havan Liberty anuncia novo gaming office em São Paulo
CS:GO

Havan Liberty anuncia novo gaming office em São Paulo

O local terá mais de 2300 metros quadrados e comportará tanto jogadores quanto staff
Jairo Junior