Esports

Estudo aponta que vício em games não está relacionado a jogos eletrônicos

Universidades britânicas não identificaram ligação oficializada pela OMS
@helenavnogueira
Escrito por
Helena Nogueira
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Em maio de 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) oficializou o vício em games como um problema de saúde mental - porém, uma pesquisa divulgada pelas Universidades de Oxford e Cardiff na sexta-feira (18) contradiz esta decisão. Segundo os pesquisadores responsáveis pelo estudo acadêmico, não há relação entre a condição e o ato de jogar videogame.

Leia mais

Com o título "Investigating the Motivational and Psychosocial Dynamics of Dysregulated Gaming: Evidence From a Preregistered Cohort Study" ("Investigando a dinâmica motivacional e psicosocial de jogar desreguladamente: evidência de um estudo de coorte pré-registrado", em tradução livre para o português), a pesquisa foi realizada como resposta à classificação concedida pela OMS.

O estudo, que analisou dados de cerca de mil adolescentes e seus responsáveis, sugere que aqueles que possuem o vício em games possuem frustrações e questões psicológicas que não estão relacionadas aos jogos eletrônicos, o que pode levá-los a jogar demais.

Um dos autores do estudo, o professor Andrew Przybylski, explicou como os videogames não se relacionam diretamente com o problema de saúde mental. Segundo o pesquisador, a classificação oficializada pela OMS é incorreta.


“Nossas descobertas não forneceram evidências que sugerem um relacionamento prejudicial com videogames que seja responsável por problemas substanciais emocionais, de convivência e de comportamento. Ao contrário, é mais provável que variações de experiências com games estejam ligadas a se necessidades psicológicas básicas de adolescentes para competência, autonomia e pertencimento são realizadas e se os jovens possuem problemas funcionais maiores. Em vista das nossas descobertas, não acreditamos que existem provas suficientes para garantir a conclusão de que o ato de jogar é um distúrbio clínico de fato."

Mesmo com as conclusões, a doutora Netta Weinstein, co-autora da pesquisa, ressalta que mais estudos precisam ser realizados sobre a questão: "Nós estimulamos que profissionais da saúde atentem para os fatores mais profundos da questão como as satisfações psicológicas e frustrações diárias para compreender como uma minoria de jogadores sente que precisa jogar de forma obsessiva."

Em maio, a OMS divulgou atualizações da 11ª Classificação Internacional de Doenças, em que o ato de jogar videogame excessivamente foi definido como distúrbio, sendo considerado um problema de saúde mental passível a diagnóstico e tratamento a partir da publicação do documento em 2022. Na época, desenvolvedoras de jogos e profissionais dos esports se manifestaram contra a decisão.

Helena Nogueira é repórter no Versus. Siga-a em @helenavnogueira.

Tags Relacionadas
Esports
Mais notícias
Samira Close comanda live para celebrar Orgulho LGBTQ+ no Facebook Gaming
Comunidade

Samira Close comanda live para celebrar Orgulho LGBTQ+ no Facebook Gaming

Transmissão terá Diva Depressão, Maíra Medeiros, Lia Clark e mais como convidados
Beatriz Coutinho
Os melhores casos de justiça sendo feita nos esports
Esports

Os melhores casos de justiça sendo feita nos esports

Lembre de jogadores que foram banidos, expulsos ou penalizados por trapaças e por comportamento tóxico
Helena Nogueira
Tempo é dinheiro: Fnatic lança relógio de mais de R$ 7 mil em parceria com a Gucci
Esports

Tempo é dinheiro: Fnatic lança relógio de mais de R$ 7 mil em parceria com a Gucci

Não tem no Brasil, viu menines?
Beatriz Coutinho