League of Legends

É de família: inspirado pelo irmão no futebol, Loop seguiu carreira profissional no LoL

“A minha infância foi acompanhando ele nos jogos de futebol, e hoje em dia ele fala que é o meu fã numero 1”
@thais.stagni
Escrito por
Thais Stagni

Caio "Loop" Almeida, 22, atual suporte da paiN Gaming, coleciona títulos, histórias e uma reputação que poucos pro players de League of Legends conseguem manter.

Sua trajetória começou em 2012, e hoje ele é considerado um dos melhores jogadores do Brasil. Por trás de muito talento e perseverança de seguir o seu sonho, Loop teve muita inspiração e apoio de sua família.

Mais do que isso, o pro player tem também outro profissional na família: Lucas, seu irmão mais velho, foi morar nos Estados Unidos para ser jogador de futebol - e a paixão e a vontade de vencer foi, de acordo com o cyberatleta, uma característica em comum dos irmãos.

"Eu sempre fui muito próximo do meu irmão, porque ele é só três anos mais velho do que eu, então a gente cresceu junto”, declarou Loop com exclusividade ao Versus.

Caio (Loop) e o irmão mais velho, Lucas, em fotos de infância © Reprodução
Caio (Loop) e o irmão mais velho, Lucas, em fotos de infância © Reprodução

“Todo final de semana meu irmão jogava no clube, e eu sempre ia. Eu olhava e me inspirava muito nele por causa disso. Praticamente a minha infância foi acompanhando ele nos jogos de futebol, e hoje em dia ele fala que ele é o meu fã numero 1. Então é engraçada essa relação, porque eu torci por ele minha infância inteira, e hoje ele torce por mim."

Caio também lembra que, desde o começo, ao contrário de outros pro players, ele “foi muito sortudo” e teve o apoio dos pais ao decidir seguir carreira como pro player de LoL. De acordo com o atual suporte da paiN, “O jeito deles sempre foi: 'faz o que você gosta, o que você ama, só não faz besteira'.”

"É uma vida de muita competição, então meus pais vivem os nossos altos e baixos com a gente”, afirmou o pro player sobre a semelhança entre a sua carreira e de seu irmão aos olhos dos seus pais.

“Eles vivem os altos e baixos de dois moleques que tem que ganhar. Quando eu perco, meus pais ficam tristes, quando meu irmão perde também. Quando a gente ganha, eles obviamente ficam muito felizes."

© Reprodução
© Reprodução

Ao contrário do que muitos esperariam, Loop deixou claro que os pais nunca incentivaram que os filhos fossem pessoas competitivas. De acordo com o pro player, tanto ele quanto Lucas “são assim por natureza” e que essa competição surgiu “desde quando a gente jogava videogame”.

Tudo começou na época em que os irmãos iam para a casa dos avós durante as férias e ficavam jogando no Super Nintendo. Depois, compraram um PlayStation 2, e então, um computador, “que foi quando começou o vício”, como brincou o cyberatleta.

"Muitas das diferenças [entre as carreiras dele e de Lucas] são por causa da cultura", declarou Loop. "No Brasil, [o cenário de esportes tradicionais] é muito parecido com o que a gente tem no LoL. A gente tem que ser muito talentoso, se não as pessoas caem em cima.”

© Reprodução
© Reprodução

“No futebol, as pessoas vaiam. No LoL, a gente recebe um xingamento no Twitter. Valorizar talento é algo que os brasileiros fazem melhor em alguns sentidos. A gente não tem tanto recurso quanto nos EUA, mas aqui a gente dá muita atenção para quem cresce rápido e eu gosto desse lado."

Conhecido por já ter participado de algumas das principais organizações de eSports de League of Legends, como a Keyd Stars e a INTZ, Loop afirmou que está satisfeito em sua atual equipe e deixou claro que pretende, sim, continuar na paiN.

Thaís Stagni é redatora do Versus. Siga-a no Twitter.

Tags Relacionadas
League of Legends
Mais notícias
CBLoL quebra recorde brasileiro na Twitch com mais de 290 mil espectadores simultâneos
CBLoL

CBLoL quebra recorde brasileiro na Twitch com mais de 290 mil espectadores simultâneos

Estreia do 2º split de 2020 ultrapassou marco estabelecido por Gaules
Helena Nogueira
LoL: Rework de Volibear tem taxa de vitória surpreendentemente baixa
League of Legends

LoL: Rework de Volibear tem taxa de vitória surpreendentemente baixa

Nova versão da Tempestade Implacável não parece ter os resultados esperados
Helena Nogueira
LoL: Uzi quer voltar a jogar caso se recupere de seus problemas de saúde
League of Legends

LoL: Uzi quer voltar a jogar caso se recupere de seus problemas de saúde

Pro player anunciou sua aposentadoria há alguns dias
Beatriz Coutinho