Alguns casters se recusam a participar do evento sem o jogador

Após comentários racistas durante a décima temporada da DreamLeague, a situação de Kuku "Kuku" Palad, pro player da TNC Pro Team, escalou, fazendo com que o competidor possivelmente seja proibido de participar do Chongqing Major, torneio de Dota 2 que acontece na China em 2019.

Leia mais:

Durante a partida entre sua equipe e os chineses da RNG, o pro player digitou "chingchong" no chat dentro do jogo, além de repetir a ação momentos depois, ação vista como desrespeitosa pelos adversários, pela carga pejorativa que o termo carrega.

Segundo anúncios feitos pela TNC Predator via Twitter, o governo local confirmou que tomará ações contra o jogador e contra a organização do evento caso Kuku participe do campeonato: 

"Em conversas com a organização do Chongqing Major, nos foi confirmado que o seguinte pode acontecer com Kuku caso ele participe do Major: 1. Ele pode ser proibido de entrar no país; 2. O governo da cidade pode cancelar o campeonato caso ele participe", diz o tweet.

A TNC Predator se classificou para o Major durante a segunda qualificatória asiática, além de já ter publicado pedidos oficiais de desculpas pelas ações do jogar, incluindo medidas disciplinares, como submeter o competidor a multas que englobam 50% de todo seu rendimento, que será doado para instituições de caridade.

A Valve ainda não se pronunciou sobre o assunto, mas membros da comunidade não concordam com as repostas dadas pelo governo chinês: 

"Se Kuku for proibido de jogar no Major eu me recuso oficialmente a narrar o campeonato, todos cometemos erros e apenas um não devia proibir você de competir em um torneio que potencialmente pode decidir o restante da sua carreira", diz o tweet de Grant Harris, narrador de Dota 2.


O Chongqing Major acontece entre os dias 19 e 27 de janeiro de 2019, em Chongqing, China. O Brasil será representado na competição pelos pro players da Pain Gaming.




Matheus Oliveira é redator do Versus. Siga- no Twitter.

Tags Relacionadas
DotaMOBA