Esports

"Desculpa, isso não é esporte", diz senadora Leila Barros sobre esports

Segundo a medalhista olímpica, "vôlei e futebol são competição, não arma ou tiro"
@helenavnogueira
Escrito por
Helena Nogueira
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A senadora Leila Barros (PSB-DF) se posicionou contra o reconhecimento dos esports como modalidade esportiva. Nesta terça-feira (2), durante votação do PLS 383/2017, a ex-jogadora de vôlei votou a favor da exclusão de jogos violentos como Counter-Strike: Global Offensive e Mortal Kombat 11 do projeto de lei de Roberto Rocha (PSDB-MA). Além disso, ela foi restritiva em relação ao competitivo de jogos eletrônicos: "Desculpa, isso não é esporte".

Leia mais:

A Senadora é Integrante da Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE) do Senado Federal e, durante a votação desta terça-feira (2) a respeito da lei que visa regulamentar os esports no Brasil, a ex-atleta defendeu que os esports não devem ser considerados uma modalidade esportiva.

A ex-jogadora de vôlei argumentou que o esporte "cessa qualquer tipo de conflito" e, para praticá-lo, é necessário "preparação" e "abdicar muito de sua vida" - sugerindo que estes são fatores ausentes nos esports e no cotidiano dos pro players.


"Eu acho que me sinto uma legítima representante do esporte. Eu queria deixar bem claro que são 'jogos' eletrônicos. Esporte, vocês vão ver lá Cuba e Estados Unidos competindo dentro de uma quadra e cessando todo tipo de conflito. Desculpa, isso [esports] não é esporte, porque esporte tem uma preparação também. Tem que ouvir a comunidade esportiva também. O alto rendimento é isso, é uma entrega. Quem é do esporte abdica muito da sua vida, inclusive pessoal, para representar um país".

Além disso, a senadora também concordou com senador Eduardo Girão (Pode-CE) sobre a exclusão de jogos violentos do projeto.

Em sua apresentação nesta terça-feira (2), Girão mostrou vídeos de games como CS:GO e Mortal Kombat 11, que possuem cenário competitivo estabelecido, mas também de títulos que não compõem os esports, como GTA V. O senador associou estes jogos ao massacre de Suzano (SP), de março de 2019, e pediu para que "esse tipo de jogo (...) não seja regulamentado para campeonato. Isso é tudo menos esporte".

A medalhista olímpica se pronunciou a favor da fala de Girão, afirmando que "vôlei e futebol são competição, não arma ou tiro".


"Vôlei e futebol são competição, não arma ou tiro. Quando nós falamos de esporte, as comunidades esportivas e as entidades foram escutadas nesse relatório? Ninguém foi. Teve audiência? Eu peço desculpas, vou ter que votar não."

Já Eduardo Gomes (MDB-TO), relator do projeto na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), chamou de "tendenciosa" a apresentação de jogos não relacionados ao cenário competitivo para a discussão. O senador também reiterou que os esportes eletrônicos geram renda e recursos para diversas cidades do mundo:


"Isso que foi mostrado aqui é outra coisa, fora do contexto da matéria que está sendo analisada. Até para colaborar, o esporte eletrônico hoje é fonte de renda para milhares de atletas no mundo que tiveram suas carreiras encerradas precocemente. A gente também deveria ter oportunidade de colocar [imagens] para as pessoas verem, que são as famílias reunidas em ginásios, enchendo e lotando estádios na China, no Japão, nos Estados Unidos e agora no Brasil, gerando fonte de renda, recursos para os municípios. Para que não fique uma visão tendenciosa. É preciso ter equilíbrio."

O PLS 383/2017 já foi aprovado de forma unânime, mas atualmente está em discussão no Senado para votação em turno suplementar. Para saber mais sobre o projeto de lei, leia a reportagem especial do Versus.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Helena Nogueira é repórter no Versus. Siga-a em @helenavnogueira.

Tags Relacionadas
Esports
Mais notícias
Nyvi Estephan se torna embaixadora do Esports Awards na América Latina
Esports

Nyvi Estephan se torna embaixadora do Esports Awards na América Latina

Apresentadora concorreu ao prêmio em 2019
Beatriz Coutinho
Live beneficente com Gaules, Nyvi, Wendell Lira e mais acontece neste sábado (23)
Esports

Live beneficente com Gaules, Nyvi, Wendell Lira e mais acontece neste sábado (23)

Transmissão reunirá celebridades da Rede Globo e reverterá fundos para a Casa do Zezinho
Helena Nogueira
Gaules, Nobru e mais participarão de ação do Greenpeace para preservar a Amazônia
Esports

Gaules, Nobru e mais participarão de ação do Greenpeace para preservar a Amazônia

Fallen, Baiano, The Darkness e Takeshi também fazem parte do projeto
Beatriz Coutinho