League of Legends

Dança das cadeiras no CBLoL 2018: o que vai mudar nas equipes?

A janela de transferências começa logo depois do Mundial
@thais.stagni
Thais Stagni
escreve para o Versus.

Ainda estamos em 2017, mas os preparativos para o Campeonato Brasileiro de League of Legends 2018 estão a todo vapor! A famosa dança das cadeiras vai começar, você sabe para qual equipe o seu pro player favorito vai jogar?

A janela de transferências para o 1º split do CBLoL 2018 começa 6 de novembro, e terá fim em 12 de dezembro. Durante estes dias, as equipes brasileiras poderão mudar suas escalações, e decidir quais jogadores continuarão defendendo ou não a camisa do time… Isso sem falar nas novas contratações!

Algumas mudanças já foram feitas - não somente nas line ups, mas também nas comissões técnicas. E agora, quais são as próximas trocas e alterações que veremos até o final do ano? Confira abaixo algumas possibilidades, e comente qual é o seu time dos sonhos para competir no 1º split do CBLoL 2018.

© Reprodução
© Reprodução

TEAM ONE

Os garotos dourados foram muito bem no Mundial, mas agora estão de volta ao Brasil. A equipe demonstrou uma evolução incrível, chegando do Circuito Desafiante (a ‘série B’ do CBLoL), e logo já se tornaram campeões brasileiros da 2ª temporada de 2017.

Esta foi a primeira vez que a equipe participou de um campeonato internacional, e representaram muito bem o país. Mesmo fora do Mundial, os resultados da Team One não devem influenciar em sua line up.

Alexandre “kakavel” Peres, dono da equipe, não tem intenção de fazer qualquer mudança na Team oNe. Em time que está ganhando não se mexe... Ou talvez as coisas mudem até mesmo na atual campeã brasileira?

© Reprodução
© Reprodução

PAIN GAMING

O ano de 2017 negou à equipe tricolor um ditado que sempre esteve na ponta da língua de sua torcida “Ano ímpar é ano da Pain”. Após melhorar o rendimento nas últimas semanas do CBLoL, a Pain chegou à final do torneio, mas acabou ficando com o segundo lugar.

Pedro “Matsukaze” Gama evoluiu muito como jogador após assumir o posto como atirador, antes ocupado por Felipe “brTT” Gonçalves. Pode-se falar o mesmo de Rodrigo “Tay” Panisa, um dos jogadores mais versáteis, jogando como caçador, atirador ou na rota do meio.

Os opostos Matheus “Mylon“Borges e Caio “Loop” Almeida, velhos conhecidos do cenário, também seguem bem em suas carreiras. É difícil pensar que a Pain poderia querer trocar uma equipe que chegou à final, mas outros times com certeza deve estar de olho nesses jogadores.

Em entrevista ao Versus, Arhur “Paada”, dono da Pain, afirmou que Gabriel “Kami” Bohm fica. O jogador está na Pain desde 2012 e tentará trazer mais um título para a equipe tricolor em 2018.

Enquanto isso, a torcida deve ficar de olho mesmo em Rafael “Rakin” Knittel. O jogador preferiu focar em streams no começo do semestre, agora quer jogar e disse em entrevista que não garante sua permanência na Pain, reforçando a ideia de que não quer ficar mais na reserva.

© Reprodução
© Reprodução

INTZ

O ano de 2017 não foi dos intrépidos por um triz. Após se classificarem em 1º lugar para as semifinais, a equipe tropeçou e acabou fora da decisão do CBLoL.

Micael “MicaO” Rodrigues e Luan “Jockster” Cardoso, integrantes da equipe desde 2015, deixaram a equipe na terça-feira (11), o que significa que a INTZ precisará correr atrás de dois jogadores para as posições de atirador e suporte.

“Ayel” já é um diamante lapidado. O jogador chegou à INTZ sendo desacreditado por muitos, mas provou seu valor e também deve ser considerado por outras equipes. O trio Turtle, Envy e Shini também apresentou uma grande evolução durante o split, será que algum outro time está de olho no talento deles?

© Reprodução
© Reprodução

RED CANIDS

No primeiro split de 2017, a Red surpreendeu montando uma line up repleta de jogadores renegados. BrTT sofria com as críticas da comunidade, que queriam de qualquer maneira “aposentá-lo”.

Enquanto isso, Tockers era ofuscado na INTZ, Yoda era constantemente criticado por não ser considerado um jogador profissional “de verdade”, Robo e Nappon não estavam felizes no bootcamp da Keyd do outro lado do mundo. Todos foram reunidos com Dioud, já conhecido de Brtt, e mostraram ao cenário que poderiam, sim, ser campeões.

Mas o bom desempenho parece ter deixado a equipe de lado. Apesar de terem vencido o Rift Rivals (campeonato cujo formato se assemelha à Libertadores) ao lado da Keyd, a equipe chegou às semifinais com alguns tropeços e muitas críticas da torcida. As reclamações focavam principalmente na atuação do suporte português Rhuckz - que deixou o time em 28 de setembro - em vez da presença do francês Dioud.

Além de pensar em contratar ou despedir jogadores, a organização também precisa anunciar um técnico oficial. Com a saída de Brokenshard, e Galfi cuidando do projeto paralelo Red Academy, o time principal continua sem um treinador.

© Reprodução
© Reprodução

PRO GAMING

A Pro Gaming surpreendeu bastante no CBLoL não só pelos gritos de Professor durante os jogos, mas também pela melhora de jogadores que já conheciam, mesmo que timidamente, o topo do cenário competitivo brasileiro como SkyBart, Gokku, Luskka e o próprio Professor.

Após alguns tropeços e a dependência de outros resultados da sétima rodada para definir sua situação, a ProGaming acabou estagnada na 5ª posição e não foi para a Série de Promoção, mas também não alcançou as semifinais.

Sendo a primeira equipe a entrar de férias nessa temporada enquanto os jogos do CBLoL ainda estavam rolando, o time também já saiu em disparada para organizar o plantel para a próxima temporada e foi a pioneira da tradicional dança das cadeiras.

Quando a música parou, Djoko ficou com o lugar de João "Dionrray" Pedro Barbosa como técnico principal. Além disso, Minerva, agora ex-CNB, entrou no lugar de Ranger.

© Reprodução
© Reprodução

KEYD STARS

Para a infelicidade geral dos Stars, a equipe ficou em maus lençóis após um split apático e cheio de empates, precisando disputar a Série de Promoção e assegurar sua vaga no CBLoL.

Revolta e Yang estão na equipe desde o início de 2017. O time garantiu o vice-campeonato no primeiro semestre, mas na segunda temporada do campeonato, o resultado não foi tão bom assim. Ambos saíram da INTZ como campeões e, após um ano sem muitas conquistas, talvez fosse este o momento certo para correrem atrás de suas carreiras novamente.

A grande surpresa foi Juzinho - único reserva utilizado dos diversos contratados -, que entrou no lugar de esA como atirador para que este lhe desse suporte, substituindo Ziriguidum.

Além da saída de Ziriguidum, a Keyd também permanece sem técnicos, já que Jung e Abaxial deixaram a organização. Essa é a hora da Keyd inovar e/ou investir em seus atuais jogadores para que o capitão Murilo “Takeshi” Alves deixe de ser o eterno “vice”.

© Reprodução
© Reprodução

CNB

O ano de 2017 foi difícil para os blumers, mesmo com o investimento de Ronaldo Nazário na organização. O segundo split da CNB foi problemático: o técnico Joseph "Strong" Edwards e os jogadores não conseguiram trabalhar juntos e a equipe começou a ficar empacada na competição.

Com derrota atrás de derrota, veio a chegada de Visdom, a substituição de Minerva por Vash, a punição de Tinowns por mau comportamento dentro da própria CNB e tudo virou uma bola de neve.

O renascer das cinzas veio com a substituição de Strong por Pedro "Gafone" Ramos, quando a equipe azul conseguiu escapar do rebaixamento automático para o Circuito Desafiante, garantindo confiança suficiente para vencer a Série de Promoção e permanecer no CBLoL.

A line-up precisa se decidir em relação a seu novo caçador. A solução mais rápida à saída de Minerva seria utilizar Vash, mas o jogador foi punido por comportamento tóxico dentro de jogo e está suspenso por cinco partidas, não podendo ser inscrito no período convencional da janela de transferências.

Com o próximo split mais perto do que imaginamos, a CNB vai mudar sua line up ou manterá os jogadores que agora confiam em seu treinador? Por enquanto a única certeza é a permanência de Pedro “Lep” Marcari, confirmada pelo próprio jogador em entrevista ao Versus.

© Reprodução
© Reprodução

Além dos jogadores já citados, vale lembrar que outros grandes nomes estão disponíveis para serem contratados, como o dos jogadores Ziriguidum e SirT - que voltou dos Estados Unidos após o término da Big Gods - além dos técnicos Mit e Abaxial.

Outra possibilidade que pode surgir é a futura equipe de League of Legends do Flamengo. O tradicional clube de futebol carioca, anunciou a notícia de sua entrada oficial nos eSports na última sexta-feira (6) e realizará seletivas para decidir quem fará parte do seu time principal que disputará o Circuito Desafiante.


Bia Coutinho é redatora do Versus. Siga-a no Twitter.

Tags Relacionadas
League of Legends
Mais notícias
LoL: Campeão mundial de 2014, imp anuncia aposentadoria
League of Legends

LoL: Campeão mundial de 2014, imp anuncia aposentadoria

A JD Gaming foi a última equipe pela qual ele jogou
Beatriz Coutinho
LoL: Robo deixa Flamengo e está aberto a negociações com outras equipes
League of Legends

LoL: Robo deixa Flamengo e está aberto a negociações com outras equipes

Nesta quarta-feira (20), brTT também não renovou contrato com o time
Helena Nogueira
LoL: As 12 skins mais raras do jogo
League of Legends

LoL: As 12 skins mais raras do jogo

Você tem alguma delas?
Beatriz Coutinho