CS:GO: "Nossos problemas não são ignorados, são superados", diz gla1ve da Astralis

Os campeões da BLAST Pro Series SP falam sobre seus diferenciais
Foto: Felipe Guerra
Foto: Felipe Guerra

A Astralis conquistou a vitória na BLAST Pro Series São Paulo no último sábado (23), adicionando mais um troféu para sua estante recheada de conquistas, como o IEM Katowice 2019 Major, ESL Pro League, ECS Season 6 e muitos outros. O time de dinamarqueses está em alta no cenário competitivo de Counter-Strike: Global Offensive, mas ainda enxerga pontos a melhorar.

Leia mais


Na coletiva de imprensa após a vitória convincente sobre a Team Liquid, a equipe elencou o que os coloca sempre a um passo a frente dos adversários e como toda a estrutura da organização é importante para que eles continuem no topo.

Um dos fatores mais citados pela equipe composta por  Nicolai "dev1ce" Reedtz, Peter "dupreeh" Rasmussen, Andreas "Xyp9x" Højsleth, Lukas "gla1ve" Rossander e Emil "Magisk" Reif para o bom desempenho foi a motivação, mas, na verdade, a chave para o sucesso do time é composta por "uma combinação de fatores, não só estratégias", como explicou gla1ve.

"Toda vez que vemos algo novo sendo feito em CS:GO tentamos evoluir. Observamos o que os adversários fazem de diferente e sempre tentamos entender o porquê. Acho que uma das melhores coisas que temos é que sempre que identificamos um ponto a desejar em nosso time, alguma fraqueza, seja em um mapa ou na execução de uma tática, nossos problemas não são ignorados, mas sim superados. Um bom exemplo disso é como passamos nossos últimos meses melhorando nosso gameplay em mapas nos quais não éramos muito fortes, e isso tem funcionado para nós."

O técnico Danny "zonic" Sørensen reitera a maneira como a equipe trabalha em cima de seus pontos fracos, dizendo que "depois de 2018, tivemos uma merecida folga e quando voltamos discutimos sobre nossa map pool. Overpass não era um de nossos melhores mapas nos últimos tempos. Nos esforçamos muito e estamos melhorando. Foi muito bom ver tudo funcionando agora - fiquei um pouco surpreso com nosso resultado em Overpass" na BLAST.

Ao serem questionados sobre a hegemonia de títulos e se essa é a era mais forte de um time em CS:GO na história, dev1ce nega, dizendo que "tentamos ser o melhor time e ainda temos potencial para melhorar mais". O coach zonic brinca, alegando que para chegar a esse status precisariam de "mais alguns majors".

Quanto a elementos fora do jogo que fazem com que a Astralis seja tão dominante, os jogadores citam o apoio de uma psicóloga especializada em esports, uma equipe robusta de comunicação e mídia que os permite focar inteiramente no game, treinadores físicos, nutricionistas, médicos e massagistas que garantem o bem-estar de todos de maneira consistente. "Tudo isso nos ajuda a crescer mentalmente e como pessoas", afirma Magisk. "Acho que posso falar pelo time todo que isso faz uma grande diferença em nossa maturidade".

A MIBR, equipe brasileira formada pelos jogadores Gabriel "FalleN" Toledo, Fernando "fer" Alvarenga, Marcelo "coldzera" David, Epitacio "TACO" de Melo, Joao "felps" Vasconcellos e pelo treinador Wilton "zews" Prado participou do torneio, mas não teve uma boa campanha. O time perdeu todas as cinco partidas que disputou no campeonato.

Em entrevista, TACO afirmou que a equipe não está merecendo o carinho da torcida brasileira. Antes do início do torneio, a MIBR conversou com o Versus sobre sua preparação e expectativas para o campeonato.


Matheus de Lucca é editor assistente e Jairo "Foxer" Junior é redator do Versus. Siga-os no Twitter em @luccabucks e @Foxer_JJ.