CS:GO

CS:GO: "Estava exausta de me provar", diz Santininha após vencer GirlGamer SP

Jogadora da INTZ também falou sobre falta de humildade no cenário
@Foxer_JJ
Escrito por
Jairo Junior
Foto: Julia Zaaz/Reprodução
Foto: Julia Zaaz/Reprodução

A equipe feminina da INTZ de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO) derrotou a Vivo Keyd e a Isurus Gaming no presencial do GirlGamer Festival São Paulo e foi a grande campeã do torneio. Após a conquista do título, a capitã intrépida Claudia "santininha" Santini concedeu uma entrevista exclusiva ao Versus e falou mais sobre a competição, a queda da paiN Gaming e as chances de título para o Brasil em Dubai, nos Emirados Árabes, onde acontece a final internacional do campeonato.

Leia mais:

Ao contrário do que pareceu, a caminhada da INTZ rumo ao título do GirlGamer Festival não começou na série conta a Keyd.

"Meu time estava muito focado nos treinos. Logo depois que conquistamos as vagas, já estávamos mudando várias coisas em nosso jogo e finalizando muitos mapas, que era o que faltava para nós", destacou Santininha. "Quando fizemos um bootcamp de duas semanas em uma gaming house que tinha apenas nosso time, todas se dedicaram acima do 100% no jogo. Era vendo demo, arrumando nossos erros nos mapas, jogando DM juntas e conversando todo fim de treino. Fora isso, o suporte da nossa organização em estrutura e staff e também dicas de jogadores profissionais amigos e namorados também nos ajudou demais. No final das contas, o conjunto da obra foi perfeito para nossa evolução neste curto período de tempo".

Um dos fatores que mais chamou atenção na conquista da INTZ foi o status de equipe mais desacreditada da competição, levando em consideração os últimos resultados da equipe. No entanto, a confiança mudou o rumo dessa trajetória.

"Nós não iríamos nos contentar apenas com a vaga na LAN", cravou Santininha. "Queríamos mais e provamos que temos capacidade para isso. Sei que todos os times se preparam para jogar este campeonato, mas acredito que nenhum deles esperava que a gente daria o trabalho que demos e que sairíamos com a vitoria".

Não é à toa que Santininha se mostrou extremamente emocionada no fim das duas melhores de três - especialmente na primeira. "Meu choro foi muito mais de alívio do que felicidade. Foi por tudo que passei nos últimos anos e por tudo que eu construí e lutei. Já estava exausta de me provar - para mim mesma, não para os outros. Nisso foram muitas noites de reflexão pensando no que eu estava fazendo de errado, porque não dava certo e porque eu ainda continuava lutando tanto. Agora que consegui, senti um alívio imenso".

Foto: BBL/Reprodução
Foto: BBL/Reprodução

Outra surpresa do GirlGamer, mas não tão positiva, foi a queda brusca da paiN Gaming. A equipe feminina considerada a melhor da América do Sul por dois anos consecutivos - que nunca tinha perdido nenhuma série em presenciais - terminou o torneio com duas derrotas e nenhuma vitória.

Muitos se espantaram com o resultado, mas Santininha afirmou que já previa o fato: "Isso aconteceria uma hora ou outra. Nenhum time se mantém no topo para sempre". De acordo com ela, "o investimento de grandes organizações que entraram na cena feminina deu a oportunidade de vários times se tornarem profissionais e treinarem melhor em tempo integral", o que deixou o cenário mais parelho.

De underdogs a campeãs e representantes do Brasil em um Mundial, Santininha também desabafou no palco após levantar o troféu: "Não sentir rivalidade com a gente não é uma boa coisa". Naquele momento muitos se perguntaram o que ela quis dizer com aquela frase, mas ela nos explicou:

"Falei aquilo porque aconteceu uma briga entre pessoas do meu time e de outro time. Na ocasião, essa outra equipe disse que não sentia nada em relação a nós, nos rebaixando e esse tipo de coisa que eu abomino, pois sempre falei que no topo tem lugar para todos. Hoje pode ser o dia da nossa vitória e amanhã outro time vencerá o nosso. Todas estão se esforçando. Por isso, minimizar o esforço e o trabalho de qualquer jogadora é arrogante demais pra qualquer tipo de ser humano, então posso dizer que aquilo não foi uma indireta e sim direta e reta. A vaga é nossa, quem ganhou fomos nós. Ganhando ou não da pessoa que falou isso, o título é nosso. Só espero que daqui para a frente as pessoas que pensam tão pequeno de outros times, como pensavam do nosso, criem um pouco de humildade."

Com os pensamentos voltados completamente para Dubai, a capitã da INTZ diz estar mais preparada do que nunca. Além disso, a confiança da pro player também vem pelo fato da vaga ter sido conquistada, e não dada por meio de convites. Ela também afirmou que já está estudando suas adversárias internacionais e projeta uma preparação ainda mais intensa e extensa, almejando o título internacional do GirlGamer Festival.

"Se em duas semanas fizemos aquele estrago, em dois meses estaremos preparadíssimas para enfrentar qualquer time, principalmente os estudando. Não só dá para trazer o título, como eu tenho total confiança de que meu time vai levantar esse troféu. Anotem o que eu estou falando."

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

As finais do GirlGamer Festival acontecem em Dubai, nos Emirados Árabes, entre 12 e 14 de dezembro. Além do CS:GO, também serão disputadas as finais do League of Legends com a Team Innova representando o Brasil.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tags Relacionadas
CS:GOINTZ
Mais notícias
CS:GO: FURIA elimina MIBR e avança na ESL Pro League S11
CS:GO

CS:GO: FURIA elimina MIBR e avança na ESL Pro League S11

A FURIA segue com um retrospecto perfeito sobre a MIBR
Jairo Junior
CS:GO: Boom e Sharks jogarão a 1ª temporada do CBCS 2020
CS:GO

CS:GO: Boom e Sharks jogarão a 1ª temporada do CBCS 2020

As equipes disputarão a competição no Brasil enquanto estão impedidas de viajar pelo corona vírus
Jairo Junior
CS:GO: Zews pode ser o novo treinador da Evil Geniuses em breve
CS:GO

CS:GO: Zews pode ser o novo treinador da Evil Geniuses em breve

Brasileiro pode treinar sua segunda line-up norte-americana
Jairo Junior