CS:GO

CS:GO: MIBR e a "maldição do detalhe"

Time brasileiro mostra clara dificuldade para fechar partidas
@Foxer_JJ
Escrito por
Jairo Junior

Foto: BLAST/Reprodução
Foto: BLAST/Reprodução

A MIBR está vivendo o seu pior momento desde a aclamada volta na nova versão do jogo que consagrou a organização, Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO). Antes extremamente destemido, agora o time coleciona derrotas para adversários de menor expressão, além de eliminações precoces em diversos campeonatos. Curiosamente, quase todas estas derrotas brasileiras foram extremamente apertadas, mostrando que a atual situação poderia ser muito diferente caso a equipe fosse mais decisiva.

Leia mais:

O tema desta matéria já foi levantando mais de uma vez por casters e analistas do cenário. Recentemente o comentarista da própria MIBR TV, Nathan "Fv" Mendes, abordou o tema tanto durante uma transmissão ao vivo quanto nas redes sociais.

"Bad vibes, vamos pro próximo. MIBR teve sua chance pra finalizar, deu chance pro apeks e acabou perdendo um mapa onde era pra vencer tranquilamente. Da pra perceber que a pressão pra fechar o jogo ta muito forte que resulta em diversos erros pelo lado brasileiro", disse o comentarista pelo Twitter.

Até agora a MIBR participou de 15 competições em 2020. Com exceção da BLAST Premier: Spring 2020 American Showdown, nenhum dos resultados foi exatamente satisfatório ou sequer trouxe benefícios ao time. Alguns vices também não foram de todo mal quando olhamos apenas para a colocação. Mas ao assistir partidas, fica clara a sensação de que estes vices poderiam ser títulos ou vagas para grandes competições, caso não faltasse calma e frieza para conquistar as vitórias.

Foto: Liquipedia/Reprodução
Foto: Liquipedia/Reprodução

Qualificatória IEM Katowice 2020

A tal "maldição do detalhe" começa já no primeiro compromisso dos brasileiros do ano, pela qualificatória norte-americana da Intel Extreme Masters 2020. A MIBR não começou bem nela após derrota de 2 a 1 para a INTZ, mas foi capaz de se recuperar e chegar à final contra Cloud9, que já tinha um mapa de vantagem.

Apesar do 1 a 0 da C9, a MIBR empatou logo em seguida no mapa Train. Os norte-americanos responderam com um desempenho sólido em Overpass e o detalhe aconteceu no quarto mapa, Inferno. No segundo tempo o empate de 12 a 12 estava na tela e ambas as equipes estavam armadas. Apenas mais um ponto complicaria a economia inimiga e deixaria os representantes do Brasil na frente do placar, mas o que aconteceu foram seguidas entradas no frágil bombsite A, as quais deram a vitória de 16 a 12 no mapa e 3 a 1 na série para Cloud9.

Se a MIBR tivesse vencido aquele mapa o terceiro seria a Dust 2, que é um dos melhores dos brasileiros e não exatamente o forte da Cloud9. A história poderia ser diferente e a vaga poderia ser do Brasil, mas jamais saberemos...

BLAST Premier: Spring 2020 Regular Season

A estreia da MIBR neste campeonato foi contra a Team Liquid e o primeiro mapa era Vertigo. Por lá os brasileiros chegaram a dominar os oponentes e a ficar na frente em 13 a 6, mas mesmo assim sofreram o empate de 13 a 13... Mais para o final buscaram o 15 a 13, ficaram a um ponto de fechar o primeiro mapa, mas sofreram um novo empate e a derrota na prorrogação.

Claramente abatida, a MIBR foi para o segundo mapa e chegou a ficar atrás em 10 a 0. A vitória no primeiro mapa poderia ter dado um grande ânimo para os brasileiros emplacarem um início melhor ou, mesmo que perdessem em Inferno, ainda teriam Dust 2 pela frente como uma nova chance. Nada disso foi possível devido à dura virada que sofreram em Vertigo.

A vitóra na estreia também poderia oferecer mais chances e um ar novo de confiança para MIBR no restante do torneio.

ESL Pro League Season 11 NA

Por questões de critério de desempate, a MIBR conseguiu passar para os playoffs da Pro League S11 e enfrentou a FURIA no primeiro jogo da lower. No primeiro mapa os furiosos foram absolutos e levaram a melhor. Já o segundo foi extremamente equilibrado e chegou a ficar em 14 a 14. Neste penúltimo round crítico a FURIA estava forçada com 3 MP9 e Fernando "fer" Alvarenga conseguiu uma boa marotagem que rendeu uma vantagem numérica de 4 vs 2. Tudo parecia resolvido já que a MIBR conquistaria aquele ponto e completaria o trabalho contra um eco dos rivais. Mas na verdade Andrei "arT" Piovezan e Vinicius "VINI" Figueiredo fizeram mágica e converteram o round e consequentemente a partida a seu favor.

Se a vitória tivesse ficado do lado da MIBR, o confronto teria Inferno como terceiro e último mapa. O vencedor iria para a final lower, a um passo da grande final.

FLASHPOINT SEASON 1

Este foi sem dúvida um dos momentos mais doídos no coração verde e amarelo em 2020. A MIBR estava bem na competição, mostrava confiança e foi vencedora das duas fases de grupo que disputou, chegando com toda a moral que precisava para os playoffs.

Lá eles encontraram a Orgless, HAVU e MAD Lions, passando de todos por 2 a 1. Na decisão do título se reencontraram com os leões que já haviam sido derrotados. Mirage ficou com o Brasil em 16 a 13 e logo depois Inferno foi para os dinamarqueses, pelo mesmo placar de 16 a 13 - lembrando que o placar chegou a ficar 11 a 9 a favor do Brasil.

Apesar da virada no mapa 2, o pior estava por vir. Train foi o último mapa e a MIBR deu uma aula de contra-terrorista, chegando a construir a vantagem de 12 a 1 e finalizando o primeiro tempo em 12 a 3. Quando a torcida já comemorava o título antecipadamente nas redes sociais, uma onda de rounds bizarros assolou a MIBR que até então era absoluta. A MAD Lions conseguiu diversos defuses na encolha e nisso buscou a virada histórica de 16 a 13, além do sonhado título que enfim acabaria com o jejum brasileiro.

ESL One Road to Rio NA

Em um dos campeonatos mais importantes do ano - pois valia pontos RMR - a MIBR caiu na fase de grupos por conta de critérios de desempate. Um dos jogos cruciais para que este desastre fosse possível foi o duelo contra a Team Liquid. No primeiro mapa (Dust2) a MIBR vinha se recuperando até o 11 a 11, quando voltou a ser dominada e perdeu por 16 a 12. No mapa seguinte, Inferno, os brasileiros chegaram a ficar em 13 a 10, mas a virada norte-americana veio em cheio até o 16 a 13, além do 2 a 0 na série.

Em outra disputa em Inferno no mesmo torneio, mas desta vez contra FURIA, a MIBR virou a metade vencendo de 9 a 6 e o jogo se arrastou até o 14 a 14. Neste momento chave a MIBR estava completamente armada, enquanto a FURIA tinha apenas pistolas para tentar se salvar. Heroicamente os furiosos conseguiram levar a melhor e finalizaram o primeiro mapa da série em 16 a 14 e mais tarde completaram a vitória de 2 a 0.

BLAST Premier: Spring 2020 American Finals

Outra grande decepção com o gosto de "poderíamos ter conseguido muito mais" neste ano foi a BLAST Premier, que oferecia vaga na Global Final 2020. Já com Alencar "trk" Rossato na line-up, a MIBR teve um início de torneio avassalador e pela primeira vez venceu a FURIA em uma melhor de três, além de emplacar vitória sobre a forte Evil Geniuses em seguida.

Na decisão da vaga e do título que daria US$ 160 mil - cerca de R$ 849 mil - ao vencedor, as equipes se enfrentaram primeiro em Dust 2, mapa no qual a EG chegou a disparar em 15 a 6 e a MIBR buscou uma reação histórica até o 15 a 14. Na hora de resolver e trazer o empate os brasileiros se afobaram mais uma vez, fizeram um primeiro avanço de contra-terrorista extremamente desnecessário, seguido de picks muito arriscados e deixaram a igualdade de pontos escorrer entre os dedos.

O mapa seguinte foi Inferno e o equilíbrio entre os dois lados era total. No final a MIBR ficou à frente no 14 a 13, conseguiu bons domínios, mas não foi capaz de mantê-los, até que o empate de 15 a 15 se fez presente. Na decisiva prorrogação a igualdade que havia entre as equipes sumiu. A MIBR entrou devagar e a EG atropelou no 4 a 0, formando 19 a 15 no placar.

CS_Summit 6

O CS_Summit 6 foi mais uma competição válida pelo RMR e o primeiro "quase" da MIBR foi na estreia contra a Chaos. A série estava em 1 a 1, o time conseguiu buscar o overtime no terceiro mapa e também o empate de 17 a 17. Ainda assim, os brasileiros falharam nas duas últimas rodadas que deram a vitória de 19 a 17 aos norte-americanos.

Na lower o time se mostrou mais decisivo, venceu tudo o que tinha para vencer e inclusive conseguiu levar um overtime extenso contra a Triumph por 31 a 28.

No Stage 2 não teve conversa e Liquid e FURIA mostraram superioridade para eliminar a MIBR.

Nine to Five Cup 3

A passagem relâmpago da MIBR pela Nine to Five Cup 4 durou apenas uma série. O time enfrentou a pouco conhecida Wisla Krakow e venceu o primeiro mapa por 16 a 11. O segundo era Train, uma das especialidades da casa... a qual não se mostrou tão especial assim. Os brasileiros sofreram de terrorista, conseguiram o comeback de CT e tinham tudo para virar o 14 a 13 no lado mais forte do mapa. No entanto, aparentemente o nervosismo falou mais alto de novo e mesmo em duelos vantajosos a MIBR não conseguiu acertar a mira. A Wisla aproveitou para fechar a conta em 16 a 13.

Eden Arena: Malta Vibes - Week 10

A 10ª semana da Eden Arena Malta Vibes foi mais uma eliminação para esquecer. A estreia da MIBR foi frente à PACT em Vertigo e o time chegou a ficar na frente em 11 a 7, até sofrer um apagão no lado CT e perder o game.

No jogo seguinte os representantes do Brasil enfrentaram a Galaxy Racer e novamente sofreram em Vertigo. O mapa começou totalmente a favor dos suecos, mas a MIBR retornou bem para o game até o 15 a 14. Na rodada em que o empate viria, os brasileiros não conseguiram decidir frente a um forçado de três MP9 e acabaram sucumbindo na competição na partida seguinte.

Vie.GG Legends Series Season 6

Neste campeonato o carrasco foi o mesmo duas vezes: a Copenhagen Flames. Os brasileiros enfrentaram a equipe na estreia e começaram vencendo o primeiro mapa, mas caindo em seguida em Overpass e em Vertigo por 16 a 14 e 16 a 13, respectivamente. A exemplo do que já foi comentado no texto, de novo a MIBR conseguiu boa reviravolta até o 15 a 14 no primeiro mapa e na rodada decisiva não foi capaz de segurar uma entrada simples e pouco trabalhada. No segundo confronto a história foi bem parecida, mas o Brasil sucumbiu uma rodada antes.

Mais à frente as equipes se reencontraram valendo vaga na próxima fase. Desta vez a MIBR foi feliz em Overpass, vencendo a prorrogação por 19 a 17. Mas perdeu a melhor de três em placares apertados de 16 a 11 e 16 a 13 em Train e Inferno, respectivamente.

LOOT.Bet Season 7

Outro evento europeu de rápida passagem da MIBR foi a sétima edição da LOOT.Bet. Nela os brasileiros estrearam com vitória de 2 a 1 de virada em cima da Apeks após perder o primeiro mapa na prorrogação e, nesta quinta-feira (10), tiveram o primeiro e último revés diante da Gambit Youngsters.

Curiosamente nos três mapas contra os russos da Gambit a MIBR teve inícios avassaladores de 5 a 0 e 6 a 2. Ainda assim, destas três primeiras metades, os brasileiros só conseguiram a vitória parcial em uma. Nas demais sofreram viradas para 9 a 6 e 8 a 7, deixando uma clara vantagem ir embora e, mais tarde, a vitória dos dois mapas também.

Resumo

Como dito no início do texto, com poucas exceções, quase todas as derrotas da MIBR em 2020 foram apertadas. Olhando para o retrospecto acima, não é difícil concluir que o problema do time não é só fazer bons jogos e disputas de igual para igual, mas também a dificuldade em administrar vantagens e principalmente a calma e frieza para finalizar as partidas quando tem chance. A situação poderia ser no mínimo menos dramática caso alguns destes resultados fossem diferentes e vemos claramente que muitos poderiam ser.

Perder algumas partidas quando estão empatadas no fim ou quando há uma vantagem não é a coisa mais anormal do mundo. Especialmente no CS:GO em que o efeito bola de neve não é tão grande quanto em MOBAs, por exemplo. No entanto, quando isso ocorre tantas vezes seguidas e frente a oponentes quenão deveriam causar tanto perigo, é possível notar que a situação vai além do "in-game" e passa também pelo "out-game".

Treino não é o problema, já que a MIBR viajou para a Europa justamente para isso. Fer chegou a afirmar que o time estava indo muito bem em scrims contra fortes times europeus. Porém, de nada adianta se na hora de decidir não há confiança e psicológico para por o que treinou em prática.

A discussão sobre a pressão psicológica sobre a MIBR é antiga. Não à toa o renomado psicólogo João Cozac passou a integrar a comissão técnica para trabalhar este lado com os brasileiros. Ainda assim, recentemente fer disse em uma transmissão que parou o trabalho individual com o profissional, mas que gostaria de retomar por não estar com a mente 100% boa para competir. Tudo só piorou com as recentes polêmicas da Chaos e mais recentemente do bug dos treinadores que zerou os pontos RMR da MIBR.

Mesmo o momento anterior não sendo dos melhores, não coincidentemente a MIBR caiu ainda mais de rendimento após os problemas extrajogo. Enquanto eles não conseguirem resolver esta parte completamente, os resultados dentro do servidor não virão.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tags Relacionadas
CS:GOMIBR
Mais notícias
CS:GO: FURIA Rivalry vence Alma Gaming e conquista Logitech G Challenge 2020
Furia

CS:GO: FURIA Rivalry vence Alma Gaming e conquista Logitech G Challenge 2020

O sucesso internacional da line-up principal é repetido pela academy no Brasil
Jairo Junior
CS:GO: FURIA vence Evil Geniuses e segue invicta na ESL Pro League S12 NA
CS:GO

CS:GO: FURIA vence Evil Geniuses e segue invicta na ESL Pro League S12 NA

Time brasileiro assumiu a ponta isolada do campeonato
Jairo Junior
CS:GO: Time de CarolzinhaSG enfrentará o de cAmyy em showmatch do Logitech G Challenge
Logitech G Challenge

CS:GO: Time de CarolzinhaSG enfrentará o de cAmyy em showmatch do Logitech G Challenge

O duelo antecederá a grande final e abrirá a transmissão do último dia do torneio
Jairo Junior