CS:GO

CS:GO: Gaules cobra mais profissionalismo da MIBR e pede por comissão técnica completa

"Nenhum jogador pode ser maior que o clube", disse o streamer em outro momento
@Foxer_JJ
Escrito por
Jairo Junior

Foto: Felipe Guerra/Gamers Club
Foto: Felipe Guerra/Gamers Club

Alexandre "Gaules" Borba tirou um momento da sua transmissão ao vivo para comentar a atual situação da MIBR de Counter-Strike: Global Offensive (CS:GO). O streamer falou sobre a hierarquia do clube - equivocada, na sua opinião - e também a respeito de profissionalizar a organização.

Leia mais:

O papo na stream começou sobre o banimento de três treinadores pela ESL, incluindo Ricardo "dead" Sinigaglia. Ele utilizou algumas analogias e explicou que pelo que entendeu, uns fizeram mais e outros menos, mas todos estão errados da mesma forma. No entanto, independentemente do que aconteceu, ele acha que a atitude de afastamento deveria partir dos próprios coaches, em prol do restante da equipe.

Depois da polêmica, Gaules apontou alguns problemas que ele enxerga na MIBR começando pela hierarquia do time. Ele afirmou que "nenhum jogador pode ser maior do que a instituição" e comparou a MIBR a uma empresa familiar, explicando que esta é uma forma primitiva de pensar, usada na época do 1.6, e que atualmente não cabe mais diante da profissionalização de várias outras organizações que são adversárias diretas dos brasileiros.

Em outro momento o ex-jogador também falou que após mexer na hierarquia da MIBR e colocar jogador como jogador, diretor como diretor e assim sucessivamente, os novos comandantes precisam contratar uma comissão técnica inteira para os players "não quebrarem a cabeça sozinhos". Além de um responsável pelo time, que deve ser cobrado de uma forma geral, ele também falou sobre um treinador de ofício, um bom manager que saiba se comunicar com os atletas, um analista novo que tenha vontade de estudar o game e até mesmo produzir conteúdo para a comunidade, além de uma assessoria para orientar os jogadores e a organização em questões de relações públicas.

Quando abordou a questão da comissão técnica, Gaules também mencionou da necessidade de brasileiros estarem à frente da maioria destas posições. Ele não acredita que a gestão internacional representou bem a MIBR e a torcida não sabe nem a quem cobrar isso, diferentemente da época em que Paulo Velloso estava no comando de tudo, assumindo a responsabilidade de resolver os problemas que apareciam. Outro ponto foi que o coach precisa ser um brasileiro que já foi campeão com a equipe no passado e deixou claro que há pessoas assim no mercado. Apesar de não mencionar o nome, de acordo com o perfil que Gaules detalhou, Bruno "ellllll" Ono da paiN Gaming era o que mais se encaixava.

Além de ajudar a MIBR dentro de jogo, Gaules acha que esta profissionalização fará bem para o time de uma forma geral. Segundo ele, estas grandes alterações mudariam o olhar que o cenário internacional tem da equipe, pois todos perceberiam que a MIBR está finalmente querendo mudar e evoluir um projeto que em mais de dois anos não rendeu grandes frutos.

E você, qual sua opinião sobre tudo que Gaules disse? Acha que a MIBR precisa destas mudanças? Tem mais alguma a acrescentar? Dê sua opinião nos comentários para um debate educado do assunto.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Tags Relacionadas
CS:GOGaulesMIBR
Mais notícias
CS:GO: FURIA sobe cinco posições no ranking da HLTV; Evil Geniuses assume top 1
CS:GO

CS:GO: FURIA sobe cinco posições no ranking da HLTV; Evil Geniuses assume top 1

Título da ESL Pro League S12 NA possibilitou a ascensão brasileira
Jairo Junior
CS:GO: BOOM pode ter os pontos RMR resetados; organização já planeja defesa
CS:GO

CS:GO: BOOM pode ter os pontos RMR resetados; organização já planeja defesa

Fato tem chances de acontecer pois Apoka foi punido pelo "bug do coach" em torneio RMR
Jairo Junior
CS:GO: Guerri, Apoka e mais treinadores brasileiros são punidos devido ao bug do coach
CS:GO

CS:GO: Guerri, Apoka e mais treinadores brasileiros são punidos devido ao bug do coach

No total são oito brasileiros punidos
Jairo Junior