Call of Duty

"Quero jogar que nem o Fallen um dia", afirma prodígio de 10 anos

Sua inspiração é o Verdadeiro, pro player brasileiro de CS:GO
@thais.stagni
Thais Stagni
escreve para o Versus.
Renato Carneiro Jr. Foto: Acervo pessoal
Renato Carneiro Jr. Foto: Acervo pessoal

Quase toda criança já quis ser astronauta ou jogador de futebol. Renato Carneiro Jr., também conhecido como Renatinho, tem apenas 10 anos e seu sonho é outro: ser pro player de jogos de tiro em primeira pessoa. Seu maior exemplo e ídolo é justamente Gabriel "FalleN" Toledo, um dos pro players brasileiros mais conhecidos do cenário de Counter-Strike: Global Offensive.

Leia mais:

"Com uns 4 anos de idade, ele já começou a se interessar por games", declarou o pai, Renato Carneiro. "Teve um dia que até me surpreendeu. Eu estava jogando Assassin's Creed 2 e ele estava do meu lado. Dei uma pausa no jogo pra tomar uma água e quando eu voltei, ele estava andando pela cidade dentro do jogo. Essa transição foi muito natural."

Mas o coração de Renatinho sempre foi dos FPS. O prodígio começou com apenas 8 anos de idade em Call of Duty: Advanced Warfare, depois evoluindo para o Infinite Warfare e então CS:GO, onde atualmente tem cerca de 150 horas de jogo.

As duas franquias contam com classificação etária para maiores de 16 e 17 anos por conta de suas cenas de violência explícita. Os pais estão tranquilos com esse tipo de exposição?

Renatinho e seu pai. Foto: Acervo pessoal
Renatinho e seu pai. Foto: Acervo pessoal

"Eu permito que ele jogue esse tipo de jogo porque eu acompanho o crescimento dele e vejo que ele consegue entender que é algo completamente fictício", afirma o pai. "Sempre faço vários questionamentos até ver que ele consegue distinguir que aquele é um mundo virtual, que só um videogame. A gente sempre monitora, e às vezes eu até dou um puxão na orelha sobre o comportamento dele com as outras pessoas."

O talento de Renatinho é inegável: Carneiro afirmou já ter gravado o filho jogando em lives e publicado esses vídeos em grupos de CoD, e o resultado surpreendeu muitas pessoas. "Chegaram a falar que era fake, porque falaram que era impossível uma criança jogar dessa maneira".

Confira um dos vídeos que mostram as habilidades do prodígio abaixo, dessa vez jogando Call of Duty: WWII:

O garoto é tão talentoso que chamou até a atenção do time brasileiro da Virtue Gaming, time de CoD. No Twitter, eles chegaram a convidar Renatinho para conhecer e jogar com os pro players.

De acordo com Carneiro, a organização de eSports afirmou que o garoto realmente conta com muitas habilidades, e que ele precisava de um instrutor para que continuasse sempre melhorando, como "um diamante que precisa ser lapidado".

Quanto ao sonho de Renatinho, o garoto já afirmou que "começou a pensar em ser pro player quando começou a jogar CS:GO". O jovem afirmou que começou vendo as transmissões pelo próprio cliente do jogo, e que sua maior inspiração dentro do cenário - além do Verdadeiro - é Marcelo "coldzera" David, também jogador da organização alemã SK Gaming.

"O meu preferido é o Fallen. Quando eu inicio o CS e eles tão jogando, sempre aparece. Eu torço muito, fico admirando os caras para poder jogar que nem eles um dia", finalizou Renatinho.

E nós estamos estamos animados para ver esse sonho se tornar realidade - começando pelo jogo do garotinho com os pro players da Virtue Gaming!


Thaís Stagni é redatora do Versus. Siga-a no Twitter.

Mais notícias
Call of Duty Mobile ultrapassa 100 milhões de downloads e quebra recorde
Call of Duty

Call of Duty Mobile ultrapassa 100 milhões de downloads e quebra recorde

Resultados melhores que Fortnite e PUBG na primeira semana de lançamento
Matheus Oliveira
Call of Duty: Com dois brasileiros na equipe, Virtue é campeã sul-americana
Call of Duty

Call of Duty: Com dois brasileiros na equipe, Virtue é campeã sul-americana

Este foi o nono campeonato presencial conquistado pelo time
Lucas Hagui
CoD Mobile: Como jogar no PC usando emulador oficial
COD

CoD Mobile: Como jogar no PC usando emulador oficial

Conheça as funcionalidades do Gameloop
Lucas Hagui