Street Fighter

Quando jogadores viram lendas: conheça os 5 deuses japoneses dos jogos de luta

Quem são, o que fazem, onde vivem?
@_matheusf23
Matheus Oliveira
escreve para o Versus.

As competições de jogos de luta, como outros esports, têm seus nomes famosos e pro players que sempre marcam presença - mas alguns são mais adorados que o normal... Considerados 'deuses'.

Daigo Umehara, Hajime “Tokido” Taniguchi, Naoto “Sakonoko” Sako, Tatsuya Haitani e Shinya “Nuki” Onuki são os cinco deuses japoneses dos jogos de luta.

Saiba mais sobre o que fez esses jogadores tornarem-se lendas.

Leia mais:


Daigo Umehara

Daigo Umehara, conhecido como “The Beast” nos EUA ou “Ume” no Japão, nasceu em maio de 1981 e é talvez o mais famoso dos cinco, isso porque é o protagonista de um dos momentos mais conhecidos do mundo dos esports.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Nomeado como “O Momento EVO #37”, este foi o último round da primeira partida de Street Fighter 3: Third Strike pela final da chave dos perdedores na EVO 2004.

O adversário era Justin Wong, um dos melhores jogadores norte-americanos. Daigo estava perdendo, quando Wong decidiu terminar a partida com o especial de sua Chun-li. Os 15 ataques não poderiam ser simplesmente bloqueados por Umehara, caso contrário, a vitória seria de Justin.

O pro player japonês conseguiu pensar em uma solução, que você pode ver no vídeo a seguir:

Daigo utilizou o que é chamado de parry em todos os 15 chutes do especial de seu adversário - o último, inclusive, foi durante um salto, que iniciou seu próprio combo e terminou com Umehara sendo vencedor.

Os parries são movimentos arriscados, nos quais o jogador deve apontar o direcional para o personagem adversário para eliminar o golpe. Ou seja: um erro de cálculo deixaria Daigo exposto a todos os ataques.

O pro player japonês conseguiu uma execução perfeita, sendo ovacionado por todos os presentes.

Mas, na verdade, sua história começa muito antes disso. Com dez anos, Daigo já podia ser encontrado jogando Fatal Fury e Street Fighter 2 nos fliperamas, e com 13 começou a jogar Darkstalkers 2. Logo no seu segundo torneio, venceu o na época desconhecido Oonuki “Nuki” Shinya - hoje, ele é o detentor do recorde de “jogador com maior sucesso em campeonatos profissionais” pelo Guinness.

Daigo é mais do que jogador. É uma figura reverenciada no Japão. É Embaixador Global da Twitch, autor do livro The Will to Keep Winning (“A Vontade para Continuar Vencendo”) e virou até protagonista de mangá.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Umehara passou por uma má fase. No fim da vida de Street Fighter IV, muitos diziam que Daigo já estava velho. Agora em 2017, o “The Beast” está classificado para as finais da Capcom Cup em dezembro, mostrando que o deus ainda está vivo.


Hajime “Tokido” Taniguchi

Tokido é um dos jogadores que mais brilha hoje no cenário de Street Fighter. O atual campeão da EVO foi apresentado aos jogos de luta em 1990, quando jogou The King of Fighter ‘94 no Neo Geo e mais tarde Street Fighter 2 no Super Famicom.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Taniguchi começou a jogar Street Fighter IV um pouco depois da maioria dos outros jogadores. Quando aconteceu, Daigo Umehara, na época seu companheiro de time, recomendou que ele utilizasse o personagem Akuma, já que jogar com um lutador como o Ryu seria um pouco difícil.

Não demorou muito para que seu Akuma fosse reconhecido. Tokido tinha uma maneira particular de jogar, empurrando seu oponente para as beiradas o mais rápido possível e utilizando da pressão do lutador para garantir seu dano.

O jeito de jogar com o personagem foi nomeado de “Tokido Vortex” e hoje, é o padrão para quem decide usar Akuma no game.

Tokido é conhecido por seu semblante concentrado enquanto joga, carinhosamente apelidado pela comunidade como Murder Face (cara de assassino, em inglês).

O pro player gosta de tratar suas partidas como exibições da luta livre, chamando a atenção do público, provocando os adversários com os famosos trash talks (para desestabilizar o psicológico do outro) e fazendo comemorações em vitórias importantes... Como inclusive fez na famosa partida da SoCal 2010 quando personificou o “Raging Demon” após vencer ClakeyDe sua Ibuki:

O pro player medita antes de cada partida que participa, mantendo a calma e a paciência.

Isso é - até o começo dos jogos, quando encarna a persona do pro player confiante, como o famoso momento “I Body Him” no campeonato Red Bull Kumite de 2015 quando Tokido declarou a Masato “Bonchan” Takahashi, que seria seu próximo oponente:

“Se ele usar Ryu, eu encaro. Se ele usar Sagat, encaro do mesmo jeito.”

Tokido é um dos deuses que já veio ao Brasil. O pro player disputou uma vaga no campeonato de 25 anos de Street Fighter em 2012, onde foi derrotado pelo brasileiro Breno Fighters.

Naoto "Sakonoko" Sako

Sakonoko é conhecido como um dos maiores "pesquisadores" das técnicas dos jogos de luta.

É o homem que mais passa tempo no modo treino dos jogos, criando estratégias e combos diferentes - como o combo infinito de B.B. Hood em Darkstalkers 3 e o chamado “Sako Especial” de Eddie em Guilty Gear, que transformou o personagem no mais forte do jogo.

Seu alto nível técnico garantiu o apelido em japonês Saikyou no Yari, “A Mais Forte das Lanças” em português.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O vencedor da Capcom Cup de 2013 também veio ao Brasil, onde foi campeão do Treta Championship Aftermath no mesmo ano.

A esposa de Sako, conhecida no Twitter como Akiki, trabalha como sua agente, cuidando de sua agenda e desafios.

Agora em 2017, Sakonoko está jogando Street Fighter V e marcará presença nas finais da Capcom Cup.

Tatsuya Haitani

Haitani começou sua carreira jogando Darkstalkers, como muitos de seus companheiros. Após somente dois anos com o game, Tatsuya já foi vencedor do Tougeki - uma espécie de EVO do Japão - em 2004.

Ele e Sako estudaram juntos, são grandes amigos e jogam juntos desde os tempos de colégio. Dizem os mais ousados que a habilidade de Haitani supera a de Sako e até a de Daigo Umehara.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O pro player é conhecido mundialmente por suas jogadas com a personagem Makoto, que utilizou 100% do tempo tanto em Street Fighter 3: Third Strike quanto em Street Fighter IV, estando num nível completamente diferente dos outros jogadores.

Haitani é um dos poucos que conseguiu ser campeão da EVO em dois jogos diferentes no mesmo ano. Em 2012, Tatsuya foi campeão de Darkstalkers 3 e de Street Fighter 3: Third Strike.

Agora, em 2017, Haitani joga Street Fighter V, com seu Necalli está em 3° lugar do ranking global do placar de líderes e marcará presença na Capcom Cup.

Oonuki “Nuki” Shinya

Nuki é o único que não joga mais profissionalmente. O jogador se afastou do cenário em 2017.

A história de Oonuki começa também com Darkstalkers. Em 1997, participando de um campeonato de Darkstalkers 3, Nuki chegou na final, quando foi derrotado por Daigo.

Desde então, os dois viraram grandes amigos e rivais, colecionando confrontos em finais de campeonatos importantes, chegando até a ganhar o apelido carinhoso de “Umenuki” dos fãs.

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Um episódio interessante da dupla foi durante o Tougeki de 2005, em um campeonato de duplas de Street Fighter 3: Third Strike.

A estratégia dos dois era “Umehara derrota todos os Yun, Nuki derrota o resto”. A ideia deu muito certo e os dois saíram campeões.

As finais da Capcom Cup 2017 que acontecem dos dias 8 a 12 de dezembro em Anaheim, na California, contarão com a presença de quatro dos cinco deuses japoneses. Será uma oportunidade única de ver esses jogadores em ação.

Matheus Oliveira é redator do Versus. Siga-o no Twitter.

Tags Relacionadas
Street Fighter
Mais notícias
Street Fighter: Brasil é um dos selecionados para o Intel World Open 2020
Street Fighter

Street Fighter: Brasil é um dos selecionados para o Intel World Open 2020

As qualificatórias para o torneio começam em março
Beatriz Coutinho
Street Fighter 5 terá novo modo de torneios online em breve
Street Fighter

Street Fighter 5 terá novo modo de torneios online em breve

Várias novidades de Halloween também estão por vir
Matheus Oliveira
Street Fighter: Momochi perde mais de 85% da premiação por não ter licença de pro player
Street Fighter

Street Fighter: Momochi perde mais de 85% da premiação por não ter licença de pro player

O japonês recebeu apenas cerca de US$ 560 dos mais de US$ 46 mil do torneio da Tokyo Game Show
Beatriz Coutinho