Comunidade

Como funcionam os eSports no Japão?

Se eu te contar que os esportes eletrônicos sofrem influência até da Yakuza, você acredita?
@_matheusF23
Matheus Oliveira
é reporter no Versus.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Recentemente, foram apontadas diversas mudanças em relação aos esportes eletrônicos dentro de um país em particular: Japão. Diversas notícias positivas apareceram no cenário competitivo, como a criação de uma regulamentação e alteração de diversas leis. Mas o que pode ter surgido na cabeça de muitas pessoas é a dúvida em relação a esses assuntos. Afinal, como funcionam os eSports no país?

Leia mais:

O Japão é a casa de muitos campeões. Como expoente há o cenário de fighting games, que é indiscutivelmente o maior do mundo; e também jogadores que brilham em Overwatch, como a seleção japonesa que se classificou para a Copa Mundial em 2017.

O grande problema no país é que, devido a diversas leis antigas, os eSports sofrem uma severa limitação em relação a premiações e grandes eventos, gerando a necessidade de regulamentação deste mercado.

O "teto" japonês dos eSports

É importante entender que, assim como em diversas nações, os jogos eletrônicos são tidos como "jogos de azar" no Japão.

O que complica mais ainda a situação no país são as leis que limitam premiações recebidas em torneios de videogames... Tudo por conta do crime organizado japonês - eita!

É isso mesmo: desde a década de 1980, existe um princípio que proíbe o aumento da quantia recebida por vencedores em eventos com venda de ingressos. Esta regra foi criada para combater o pôquer virtual, muito explorado pela Yakuza, a conhecida máfia japonesa.

O cenário de fighting games é um dos poucos que promove grandes premiações para os pro players japoneses, grande parte devido aos jogadores que viajam para outros países, assim como faz Hajime "Tokido" Taniguchi. | Foto: Reprodução
O cenário de fighting games é um dos poucos que promove grandes premiações para os pro players japoneses, grande parte devido aos jogadores que viajam para outros países, assim como faz Hajime "Tokido" Taniguchi. | Foto: Reprodução

Como se não bastasse, segundo reportado pelo site Asian Nikkei Review, existe um limite de ¥ 100 mil, aproximadamente R$ 3 mil, na premiação de torneios organizados por publishers, graças a uma lei que combate "bonificações injustificáveis".

Ou seja, se a Blizzard organizasse um campeonato de Hearthstone no Japão, o prêmio total estaria limitado ao valor descrito acima, pois um montante superior apontaria que a empresa estaria tentando alavancar as vendas de seu próprio produto, dando dinheiro aos participantes.

A Cup Noodles foi a principal patrocinadora da EVO Japão. | Foto: Reprodução
A Cup Noodles foi a principal patrocinadora da EVO Japão. | Foto: Reprodução

Um exemplo de como driblar essa imposição é a forma como os patrocínios são realizados em torneios do país, já que eventos que contam com investidores externos têm direito de ultrapassar o limite de ¥ 100 mil, tal como foi a EVO Japão, com premiações de ¥ 600 mil para cada game.

O problema criado com isso é o questionamento: quem vai patrocinar um campeonato de um jogo, no qual a própria empresa responsável não pode estar presente? A EVO é propriedade de uma sociedade, as empresas por trás dos games não estavam contribuindo, tanto que "mimos" recebidos pelos campeões eram envolvidos com o evento, sendo alheios aos jogos.

Uma luz no fim do túnel

Para criar esperança no cenário japonês de eSports - que, como afirmam veículos como Daily Mail e Kotaku, tem potencial para ser uma icônica potência no ramo -, a JeSU (Japan Esports Union) foi criada recentemente, tendo como proposta alavancar os esportes eletrônicos no país.

A JeSU pode ser a salvação para quem deseja viver de eSports no Japão. | Foto: Reprodução
A JeSU pode ser a salvação para quem deseja viver de eSports no Japão. | Foto: Reprodução

O objetivo da JeSU é servir como mediadora entre grandes torneios e empresas responsáveis pelos títulos, fornecendo licenças aos pro players, permitindo que eles recebam premiações maiores.

A primeira a acreditar na proposta e indicar jogadores para receberem esse licenciamento foi a Capcom, que apontou 22 nomes de grandes competidores de Street Fighter. Antes, estes pro players viviam com base nos eSports devido às viagens que fazem para competir ao redor do mundo.

O que devemos esperar agora é que grandes empresas acreditem mais no poder dos esportes eletrônicos no Japão e fomentem o cenário local, que pode se tornar um novo berço de grandes talentos e brilhar em outras modalidades, assim como já faz com os jogos de luta.

Matheus Oliveira é redator do Versus. Siga-o no Twitter.

Tags Relacionadas
ComunidadeMercadoEsports
Mais notícias
Dota 2: Estudante cria versão RPG single player do jogo para realidade virtual
Dota

Dota 2: Estudante cria versão RPG single player do jogo para realidade virtual

E foi para um trabalho da faculdade!
Helena Nogueira
Pokimane cria programa estudantil de esports com a Universidade da Califórnia
Comunidade

Pokimane cria programa estudantil de esports com a Universidade da Califórnia

A influenciadora doou US$ 50 mil para a instituição
Matheus Oliveira
Com apelo nostálgico, RF Online recebe novo servidor brasileiro
Comunidade

Com apelo nostálgico, RF Online recebe novo servidor brasileiro

Versão renovada do MMO chega em 20 de fevereiro
Matheus Oliveira