League of Legends

CBLoL: A história do clássico PAINTZ

Relembre o confronto do passado e prepare o coração para o novo embate
@VersusEsports
Escrito por
Redação Versus

A final do segundo split do Campeonato Brasileiro de League of Legends 2020 vai ser decidida entre paiN Gaming e INTZ neste sábado (5) a partir das 17h (horário de Brasília). Essa é uma partida que promete muito. Os tradicionais vêm de um primeiro split fraco, mas ressurgiram das cinzas e chegaram à final prontos para dar o seu melhor em Summoner’s Rift com um early game afiado. Os intrépidos também passaram perrengue no primeiro split, disputando a Série de Promoção, mas agora estão preparados para mostrar seu potencial em séries melhores de cinco.

Essas duas equipes já se encontraram antes em uma final histórica, em 2015, no Allianz Parque, em São Paulo. Relembre esta disputa lendária e o contexto que a faz uma das finais mais memoráveis do cenário brasileiro de LoL assistindo ao vídeo acima, ou lendo o texto abaixo.

Texto por Henrique Padula

A grande final do 2º split do CBLol 2015 foi completamente surreal e impressionante. E ainda não estamos falando da partida em si. Foi um verdadeiro espetáculo que quem viu nunca mais vai esquecer.

Primeiro, o local. O anúncio da Riot revelou que a decisão aconteceria no Allianz Parque, estádio do Palmeiras, e essa já era uma grande promessa. Era a primeira vez que uma partida de League of Legends no Brasil seria realizada em um estádio de futebol. Era difícil não ficar empolgado com o que a Riot estava preparando para os fãs. Foram doze mil ingressos colocados à venda, variando entre R$ 30 e 40. Foi questão de minutos até que os ingressos esgotassem.

Em uma entrevista para a Red Bull, membros da Riot no Brasil deram a entender que mesmo com a venda de ingressos, eles saíram no vermelho com a organização dessa final. Mas isso não era um problema e eles já sabiam disso. Desde o início eles pensaram apenas em fazer o melhor espetáculo possível para os fãs de LoL.

Chegando no estádio, já dava para entrar no clima. Do lado de fora milhares se reuniam, com torcedores dos dois times lado a lado, todos empolgados pelo dia que entraria na história dos esports no Brasil. Mesmo quem estava lá só por obrigação e nem sabiam muito sobre LoL ficou contagiado. Era lindo de se ver. E lá dentro, tudo ficava mais surreal. Uma parte do estádio inteira lotada, e no campo um belo palco, daqueles que víamos em transmissões internacionais e era só um sonho ver por aqui. Mas naquele momento, essa fantasia se tornou realidade. Ficou bem claro que a Riot não via a gente apenas como “mais um país com campeonatinho de LoL”.

No início da abertura da grande final, uma orquestra tocou o tema de Amumu e emocionou muitos. A canção é maravilhosa, e ao vivo então foi de arrancar suspiros e até algumas lágrimas. Depois, ficou ainda melhor com um curto show da banda Pentakill, quando o cantor de heavy metal Jørn Lande se juntou ao campeão Karthus no palco para cantar Lightbringer, uma das músicas mais conhecidas do grupo.

No meio de tudo isso, diversos vídeos e animações do universo de LoL passavam num telão, E a cada coisa nova, a galera ficava ainda mais empolgada. Só por isso, já seria um dia histórico. Só que o melhor estava guardado para o final. A grande partida entre a paiN e a INTZ.

Era inegável que os intrépidos eram os favoritos ao título. Afinal, eles não apenas eram campeões do primeiro split, como chegavam na final após uma campanha invicta, dando alguns sacodes na equipe adversária ao longo de todo o torneio. Já a Pain tinha ao seu lado o calor da torcida. Era bem evidente ao olhar pros torcedores na arquibancada que a maior parte do público estava torcendo para os tradicionais.

Mesmo sabendo que era uma partida bem difícil de se vencer, e que as atuações da paiN eram bastante irregulares, dava para ver a esperança nos olhos daqueles fãs. Só que era muito difícil imaginar um resultado que não fosse a vitória da INTZ. O que estava para acontecer no Allianz Parque era surpreendente e dava direito até mesmo a um lendário backdoor. Vamos chegar nesse ponto da história.

Depois que as duas equipes entraram no palco se apresentando e fazendo os torcedores gritarem no estádio, o jogo começou. E como esperado, a INTZ dominou, e deixou a paiN cara a cara com a derrota diversas vezes. Só que naquele dia, Kami, Brtt, Mylon, Dioud e Sirt não estavam nem um pouco interessados em perder.

Quando a vitória dos intrépidos parecia mais do que certa, a paiN não desistu e se manteve na disputa. No fim da partida, só era possível ouvir os torcedores da paiN gritando loucamente. Não parecia real o que o telão mostrava diante dos olhos da arquibancada. Apesar de dominarem boa parte do jogo, os intrépidos perderam. E a vitória do primeiro jogo ficou nas mãos da paiN.

Aquele havia sido apenas o primeiro jogo e ambos os times ainda tinham chances de garantir não só o título, mas a vaga para o então International Wildcard Tournamente, que poderia dar acesso ao Mundial.

Alguns minutos depois, os times retornaram ao palco e a INTZ parecia muito mais preparada, com outra mentalidade e fome de vencer.

A segunda partida foi mais acirrada, daquelas que torcedores dos dois lados travaram a respiração mais de uma vez. Qualquer um ali poderia vencer e os dois times estiveram à beira da vitória várias vezes. Na época, um ponto fraco da INTZ é que a equipe tinha muita dificuldade de fechar partidas longas e talvez seja por isso que após uma hora de jogo, a paiN venceu de novo.

A esperança era real. A paiN poderia vencer o CBLoL. Só que naquela altura do campeonato, ela não apenas poderia. A vitória já era dela.

A derrota na segunda partida foi realmente um baque para os jogadores e no retorno para o terceiro jogo a INTZ entrou no palco apática. Os fãs sentiam que a partida já estava decidida, mas isso não queria dizer que aquela tarde terminaria sem surpresas.

A terceira partida da série estava rolando e enquanto a INTZ tentava pressionar a paiN e destruir sua base, Mylon e seu Shen surpreenderam até mesmo os casters do CBLoL ao aparecer do outro lado do mapa, pronto para garantir o GG para a paiN com um backdoor.

Alocs e Jockster correram de volta para a própria base na esperança de parar Mylon, mas não havia mais nada que eles pudessem fazer a não ser aceitar a derrota e ouvir a torcida da paiN gritando de alegria. E foi com esse backdoor histórico que a paiN fechou a última partida e se tornou a campeã do CBLoL 2015. A torcida no estádio foi à loucura, com uma vibração simplesmente surreal.

E quanto ao Mundial? Bem, embora a campanha da paiN ainda seja a melhor do Brasil no torneio desde aquela época, a única coisa que realmente vale a pena lembrar é que Brtt é maior que Doublelift.

Foto: Riot Games/Reprodução
Foto: Riot Games/Reprodução

Cinco anos depois, as duas equipes vão se encontrar mais uma vez na final do CBLoL. paiN e INTZ se enfrentarão para decidir quem é o time mais forte do Brasil e disputar uma vaga para o Mundial 2020. Infelizmente, neste ano não poderemos contar com uma grande torcida vibrando a cada jogada presencialmente - por conta da pandemia do coronavírus, o distanciamento social é essencial e as aglomerações devem ser evitadas.

Ainda assim, mesmo que apenas online, os fãs podem esperar mais uma série épica e emocionante. Pois, no fim, é isso que mais queremos, não é?

E você, para qual time vai torcer na final? INTZ ou paiN? Conte nos comentários abaixo. E pra saber tudo sobre a final e a coletiva de imprensa com o grande campeão, é fácil. É só ficar de olho no Versus.

Siga o Versus nas redes sociais para mais notícias - Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.

Mais notícias
Mundial de LoL: "Melhorou minha confiança", diz Isles da Legacy sobre vencer MAD Lions
League of Legends

Mundial de LoL: "Melhorou minha confiança", diz Isles da Legacy sobre vencer MAD Lions

Equipe da Oceania foi eliminada pelos chineses da LGD Gaming
Beatriz Coutinho
Mundial de LoL: "Faltou paciência", disse Maestro sobre derrota da INTZ para MAD
League of Legends

Mundial de LoL: "Faltou paciência", disse Maestro sobre derrota da INTZ para MAD

Técnico não acha que eliminação se deve a falta de acompanhamento psicológico
Beatriz Coutinho
Mundial de LoL: "Será super difícil", diz Nomanz sobre grupo da UoL na Fase de Grupos
League of Legends

Mundial de LoL: "Será super difícil", diz Nomanz sobre grupo da UoL na Fase de Grupos

Jogador comentou sobre série contra SUP, hate da comunidade e mais
Beatriz Coutinho