Smash Bros

Análise: Super Smash Bros Ultimate tem o que é necessário para superar o Melee?

O título de 2001 é o queridinho dos jogadores competitivos
@helenavnogueira
Helena Nogueira
escreve para o Versus.
Foto: Montagem/Lucas Takashi
Foto: Montagem/Lucas Takashi

Consagrando-se como um dos principais fighting games, a franquia Super Smash Bros teve diversos títulos através dos anos, mas nenhum deles tirou o legado competitivo de Melee. A próxima aposta da Nintendo para a franquia, Ultimate, está cada vez mais próxima e promete combinar tudo que mais agradou os fãs através dos anos.

Porém, qual será o real potencial competitivo do game? O Versus está aqui para dizer se existe chance do jogo ser equivalente ou até mesmo superar Melee, o mais adorado pelos pro players até os dias atuais.

Leia mais sobre Smash Bros:

Não há dúvidas de que Melee é o Smash mais amado entre jogadores do gênero. Desde seu lançamento, em 2001, o game continua sendo responsável por uma das maiores audiências do cenário competitivo de jogos de luta nos principais torneios. Na EVO 2018, a audiência total do jogo foi de 842 mil visualizações.

Esta fama não é à toa: o game possui pontos relevantes que trazem uma experiência agradável mesmo nos níveis mais altos de competitividade. Para superar este legado entre os pro players, o time de desenvolvimento de Super Smash Bros. Ultimate deve dar a devida atenção aos pontos que fizeram de Melee um sucesso - diferente do que aconteceu nos últimos títulos da franquia.

Imagem: Reprodução/Nintendo
Imagem: Reprodução/Nintendo

Balanceamento

Melee foi lançado como um jogo quase perfeito em questão de equilíbrio entre os personagens. Seja com Peach ou Captain Falcon, todos os lutadores são capazes de vencer qualquer luta.

Esta equivalência de poder pode ser testemunhada até hoje nas competições por meio de pro players como Adam “Armada” Lindgren e Juan “Hungrybox” DeBiedma, conhecidos por seus desempenhos com Peach e Jigglypuff, respectivamente.

Desde então, não se vê o mesmo em outros títulos da franquia. Um exemplo recente é a Bayonetta em Super Smash Bros. for WiiU, jogo que, sem receber a atenção da Nintendo, tem suas partidas profissionais e online totalmente dominadas pela personagem.

Manter o jogo balanceado é a melhor maneira de continuar com o cenário competitivo vivo e variado, e esta é a difícil tarefa que Ultimate terá - principalmente contando com o fato de que o título possui o maior elenco já visto na franquia, com o total de 67 lutadores.

Imagem: Reprodução/Nintendo
Imagem: Reprodução/Nintendo

Modo de treino

Grande parte da experiência competitiva de um fighting game está em bancar o “cientista maluco” e explorar todas as possibilidades existentes no jogo, desde aprender as melhores opções de punições até manter-se seguro em diversas situações. Isto é obrigatório em todo jogo de luta e parece que seráapresentado em Ultimate.

Segundo o Nintendo Direct (programa focado em anúncios da empresa japonesa) do último dia 8 de agosto, mecânicas passadas e inéditas estarão disponíveis no novo game, tornando as coisas mais interessantes para pro players.

Dentre elas, o modo treino trará funcionalidades inéditas que permitirão praticar golpes de todas as maneiras possíveis, incluindo métricas que mostram a distância de arremesso, trajetória de voo de adversários e a fatoração do peso dos inimigos ao atingirem o chão. Tornando o treinamento ainda mais técnico, Ultimate promete oferecer um prato cheio para aqueles que querem se profissionalizar em Smash.

Imagem: Reprodução/Nintendo
Imagem: Reprodução/Nintendo

Investimento

Por mais que conte com uma das comunidades mais apaixonadas dos games, Super Smash Bros. possui investimento defasado - ainda mais quando comparado a outros grandes jogos de luta como Street Fighter ou Tekken, que possuem atualizações mais constantes com balanceamentos e inserção de novos personagens.

Além disso, há a questão da profissionalização de jogadores profissionais. Nos jogos de luta da Nintendo, alguns poucos atingem o topo e conseguem se manter financeiramente - como William “Leffen” Hjelte, da Team SoloMid, e Hungrybox, da Team Liquid.

Porém, mesmo sendo contratados por grandes organizações de esports, os pro players lidam com premiações de campeonatos que ainda deixam a desejar. Para exemplificar este fato, existe uma comparação entre as premiações da Evolution Championship Series 2018 (EVO), onde o campeão de Melee, Leffen, levou US$ 8 mil, enquanto Benjamin “Problem X” Simon levou mais de US$ 26 mil por vencer em Street Fighter V.

Por melhor que Ultimate possa vir a ser, não é possível manter uma boa base competitiva se as premiações e reconhecimento oficiais não justificarem o esforço dos profissionais. Isto é algo que a Nintendo deve entregar, caso queira fortalecer o potencial competitivo de seu jogo.

Imagem: Reprodução/Nintendo
Imagem: Reprodução/Nintendo

Combinar uma jogabilidade amigável com camadas de complexidade

É impossível não comparar novos lançamentos de jogos de luta com Dragon Ball FighterZ, devido ao sucesso do título e seu impacto no cenário competitivo.

Grande parte das boas avaliações recebidas pelo game dos Guerreiros Z apontam sua jogabilidade como ponto positivo, já que promove uma boa experiência para os novatos ao mesmo tempo que possibilita comandos complexos em níveis mais altos de disputa.

Melee é adorado pelo comunidade pelas exigências mecânicas e execução nos movimentos - além de ter a vantagem de ser jogado no controle do GameCube, até hoje o preferido dos jogadores pelo encaixe nas mãos e posicionamento dos botões.

Para Ultimate, será importante equilibrar complexidade e simplicidade para que o game não amedronte os novatos enquanto também evita se transformar em outro Super Smash Bros. Brawl, tido como casual demais.

Super Smash Bros. Ultimate quebrou recordes de pré-venda em sites norte-americanos, provando que a comunidade têm esperanças e pretende dar chances ao game. Resta apenas que a Nintendo cuide do novo título para que não seja mais um jogo esquecido no meio de tantos outros na franquia.


O que você espera do novo game?



Matheus Oliveira é main Marth e Helena Nogueira é main Zero Suit Samus. Siga-os no Twitter em @_matheusF23 e @helenavnogueira.

Tags Relacionadas
Smash Bros
Mais notícias
Smash Ultimate: MkLeo, Nairo e Mr.R são campeões do World Challenge Cup
Smash Bros

Smash Ultimate: MkLeo, Nairo e Mr.R são campeões do World Challenge Cup

Dream Team disputou o torneio em Quioto, cidade-sede da Nintendo
Matheus Oliveira
Smash Bros.: Zackray é campeão de Ultimate do The Big House 9
Smash Bros

Smash Bros.: Zackray é campeão de Ultimate do The Big House 9

Pro player japonês arrebatou seus primeiros títulos premier; veja todos os vencedores
Matheus Oliveira
Blizzard diz que Nintendo pode usar qualquer personagem de Overwatch em Smash Ultimate
Smash Bros

Blizzard diz que Nintendo pode usar qualquer personagem de Overwatch em Smash Ultimate

Para Jeff Kaplan, Tracer é a escolha ideal para o jogo de luta
Matheus Oliveira